A contabilidade e sua importância na vida das organizações empresariais e pessoais

Por Professor Enio Gehlen | Delegado do Conselho Regional de Contabilidade de Bento Gonçalves – CRC/RS. Atuou por 29 anos como docente da UCS.

Para muitos, a contabilidade é ainda uma obrigação fiscal. Partindo desta premissa vamos sustentar que a contabilidade é o maior instrumento de medição de desempenho das entidades, sejam elas empresariais ou não. Quando se fala em entidades não empresariais, nos referimos também às economias familiares e pessoais.
Inclusa na categoria das ciências sociais, a contabilidade tem o designo de registrar e produzir em seu relatório final as Demonstrações Contábeis, que apontarão o resultado e a situação patrimonial numa determinada data.
Não cabe aqui discorrer sobre as técnicas e metodologias, mas cabe mencionar que as regras contábeis (não fiscais) são emanadas pelo próprio Conselho Federal de Contabilidade – CFC – (diferente das outras profissões que dependem de outras legislações), que pelo Decreto-Lei nº 9.245/1946, em seu artigo 6º, letra f), deu atribuição ao CFC de regular acerca dos princípios contábeis e editar Normas Brasileiras de Contabilidade, de natureza técnica e profissional, dentre outras atribuições.

Professor Enio Gehlen | Delegado do Conselho Regional de Contabilidade de Bento Gonçalves – CRC/RS. Atuou por 29 anos como docente da UCS.


Em levantamento recente, temos hoje na legislação contábil mais de 211 normas, sendo 14 profissionais e 197 técnicas. Estas normas perfazem um compêndio de mais de três mil páginas de pura orientação técnica, com regras rigorosas, baseadas no princípio jurídico da hierarquia das leis brasileiras, no qual a legislação estabelece uma obrigação ou proibição, cabendo a interpretação de seu usuário o que lhe é permitido.
Aprendi pelos estudos que a norma é a regra geral e que as exceções têm que ser tratadas como tal, ou seja, com uma atenção excepcional, geralmente chegando ao Judiciário, que é exatamente lá que se deve questionar como última instância.
Todas estas referências são para dizer da importância do profissional contábil nas entidades (termo que generaliza todas as organizações).
Como tema principal desta conversa, nos reportamos a um dito (autor não identificado), de que “somente a contabilidade pode medir de forma adequada o desempenho econômico e financeiro das entidades”; ou seja, é o único instrumento que coteja Receita, Custos e Despesas no aspecto temporal (Demonstração do Resultado do Exercício de um período) e apresenta uma situação estática (Balanço Patrimonial) numa determinada data, além de outras informações acessórias que complementam a sua avaliação de performance.
Já ouvimos afirmações de que “eu tenho a minha própria contabilidade!”. Sim, verdadeira esta afirmação, mas deverá ser sempre uma contabilidade que coteja as mesmas variáveis. Dados estatísticos, controles setorizados ou mesmo mapeamento de movimentos econômicos e financeiros são primordiais na lida dos controles internos, mas somente a contabilidade vai demonstrar a eficácia econômica da organização.
Sobre esta avaliação final de um período cabe sempre a interpretação econômica e financeira, se o resultado foi adequado à energia dispendida no objeto da entidade.
Portanto, conclui-se que o mapeamento (a contabilidade) adequado de uma atividade econômica é o instrumento mais eficaz na avaliação de desempenho das entidades ou organizações. Por isso a quantidade de normas e a especialização profissional pretendida do profissional contábil, corroborada com o rigor do ensino contábil.

Como o Curso de Ciências Contábeis/UCS faz sentido à minha vida?

“Ter a oportunidade de cursar Ciências Contábeis na UCS representou um grande marco na minha vida profissional e, consequentemente, pessoal. A universidade atua na abertura do caminho que possibilita aos estudantes a construção de conhecimento e o desenvolvimento de uma profissão, com comprometimento, seriedade e ética. Seus mestres operam como facilitadores, compartilhando estudos e experiências para promover o aprendizado e a pesquisa dos alunos e da sociedade. O acesso e bom uso do mundo de possibilidades que a universidade oferece, aliado ao trabalho prático, é o método mais eficiente para o aprendizado. Contudo, para se obter sucesso é preciso ter a mente aberta e estar sempre atualizado quanto às mudanças e tendências, bem como desenvolver novas competências técnicas, comportamentais e de liderança. Para tudo isso, podemos contar com a UCS sempre.”

“O interesse pelo curso nasceu da convicção de que ele abre um “leque” de oportunidades para atuação, possibilitando ao profissional especializar-se em uma ou mais áreas de interesse. Outro fator decisivo foi a percepção de que é uma graduação interdisciplinar, na qual as habilidades técnicas são desenvolvidas de forma integrada com diversas áreas de conhecimento, contribuindo para uma formação consistente. A formação me tornou apto a contribuir de forma positiva nas organizações, aplicando os meus conhecimentos na análise e na resolução dos principais problemas que decorrem delas. Essas aptidões, somadas ao aprimoramento dos conhecimentos em gestão, contribuíram para a minha evolução profissional, levando-me a assumir uma posição de liderança.”

“A UCS representou e ainda representa muito em minha vida: nela me graduei e fiz minha pós-graduação. Através dela construí a maioria das minhas relações profissionais e pessoais. Ela me despertou a visão do envolvimento social, através da participação em entidades de classe e sociais. O Curso de Ciências Contábeis, pautado sempre pela excelência de seus professores, me oportunizou o conhecimento científico e prático os quais me balizam na profissão até os dias de hoje.”

“É essencial, de vez em quando, pausar e olhar para si, para o outro e para o entorno, e entender do que, de fato, é feita a vida. A chave ou a base do ser humano é a teimosa vontade de fazer com que a vida tenha sentido. E neste momento é importante que pensemos em uma resposta a duas perguntas: Você está preparado para fazer valer a pena? Como eu me vejo daqui 2 anos? Esses são exemplos de algumas perguntas que podemos fazer para começar a enxergar o nosso propósito de vida. Perceber que são todas perguntas que nos levam ao autoconhecimento. Precisamos estar atentos às conexões que ocorrem entre as respostas das perguntas acima, pois a escolha passa diante de nós a cada instante de vida. Não tem como outras pessoas definirem o nosso propósito, pois isso vem do nosso interior, das nossas paixões, dos nossos talentos e, principalmente, do nosso protagonismo. Quanto escolhi o curso de Contábeis no Campus da UCS de Bento e escolhi ser contadora, não imaginava que poderia ajudar tantas pessoas a melhor conduzir seus negócios, participar de tantos projetos e atividades para a visualização de futuros cenários, para a aceitação de novas práticas, para mudar ao superar crenças e culturas tradicionais nesta profissão e saber aonde queria chegar na minha vida. Ser contadora me fez assumir planos com significado!”

“Escolher a graduação nem sempre é uma decisão rápida e fácil. Desde criança ouvimos alguém dizer: “O que você vai ser quando crescer?”. As pressões mercadológicas da sociedade iniciam muito cedo, principalmente por, na maioria das vezes, acontecer em idade que orbita entre a adolescência e vida adulta. A responsabilidade na escolha é bastante grande e por vezes ficamos confusos sobre qual caminho seguir, ainda mais porque implica em escolher uma carreira em detrimento de outra, o que por sua vez poderia causar frustração futura, dependendo de como for conduzida a situação. Quando escolhi o Curso de Contábeis, tinha presente o desejo de uma trajetória na vida pública, objetivava concursos: a estabilidade era um dos pontos mais fortes para aquela tomada de decisão. E, de fato, não ter ignorado a intuição de seguir aquele caminho foi uma feliz escolha. A Contabilidade, na área pública, abre um leque imenso de oportunidades em todas as esferas de Governo. As Ciências Contábeis me levaram também à docência do Ensino Superior, o que denota o quanto considero importante a escolha feita e demonstra mais um caminho que pode ser seguido na vasta quantidade de opções de mercado que a graduação oferece. Então, para a pergunta “Qual sentido o Curso de Ciências Contábeis fez em minha vida?”, a resposta é: trabalhar com a ciência da riqueza, aplicando-a em benefício da sociedade, em prol do que é de todos, é o que dá sentido à minha escolha profissional para a vida.”

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.