“A minha força vem do abraço e do sorriso deles”

O mundo do vigilante Marciano Melo dos Santos, de 37 anos, parecia que iria desabar em 2019, após a morte da esposa Adriana Santos Da Silva. Fazia dois meses que ela tinha dado à luz a pequena Clara, mas ainda enfrentava as dificuldades do primeiro parto, dos gêmeos Vinicius e Vitória. Eles haviam nascido de forma prematura, após uma gravidez de risco. Marciano conta que a primeira gravidez seria de trigêmeos, mas um dos bebês morreu depois de um acidente de moto. Desde então, Adriana vinha lidando com as sequelas do primeiro parto, o que a levou à morte em 2019. “Nós morávamos em Itaqui e viemos para Bento Gonçalves em busca de emprego. A bebê estava prestes a completar dois meses. Um dia, quando cheguei em casa depois do trabalho, encontrei minha esposa caída. Duas semanas antes de ela morrer eu tentei encontrar alguém para ficar com as crianças, para que eu pudesse levar ela fazer exames, porque estava bastante inchada, mas não consegui”, lamenta Marciano. 

Apesar da dor da perda e do medo de cuidar sozinho dos filhos, Marciano conta que se manteve forte pelas crianças. “Eu contei com Deus nessa hora. A rotina ficou bem puxada, mas eu não sentia mais cansaço. Eu ganhei uma força difícil de explicar”, recorda. 

Além da dificuldade de cuidar e educar, sozinho, três filhos pequenos, Marciano passou por momentos complicados financeiramente, principalmente durante a pandemia. Com as escolas fechadas, sem familiares e amigos para deixar as crianças e sem dinheiro para pagar uma babá, o pai foi afastado do trabalho pela empresa onde trabalhava. “Fiquei alguns meses parado, cuidando das crianças, mas depois a empresa me mandou embora”, relata. Durante cerca de seis meses Marciano ficou desempregado, sem conseguir emprego, contando com a ajuda de pessoas solidárias para garantir o alimento da família. “Eu fui me virando, recebendo doações e fazendo alguns ‘bicos’”, conta Marciano. 


Foto: arquivo pessoal
 

Hoje, os gêmeos estão com 3 anos e 8 meses e a filha mais nova está com 2 anos e 8 meses. Marciano conseguiu uma vaga como vigilante, trabalhando durante a noite e cuidando das crianças durante o dia. Entretanto, ainda tem dificuldades em encontrar babás para ficar com os filhos à noite, além de precisar deixar algumas contas em atraso para garantir as principais necessidades da família. 

Por conta da dificuldade financeira, o pai que dorme um dia sim e outro não – apenas nas noites em que não trabalha – revela que está indo atrás de mais um serviço durante o dia, torcendo para que as escolinhas voltem a funcionar em turno integral. “Vai ser bem puxado, mas vou conseguir”, afirma o pai Marciano. 

Apesar dos desafios diários, o pai descreve com amor e orgulho a relação dele com os filhos. “A minha força vem do abraço, do sorriso deles e de quando eles dizem ‘pai, eu te amo’”, comenta Marciano. “As pessoas me falam: ‘eu tenho um e não consigo dar conta, fico imaginando com três’. Eu dou risada, mas penso que todo o amor deles compensa”, reflete.


Foto: arquivo pessoal
 

Como mensagem de Dia dos Pais, Marciano lembra a todos os pais que também estejam enfrentando desafios que “tudo na vida é passageiro”. “Às vezes saímos para ver a lua e as estrelas e a minha filha mais velha fala: ‘olha papai, lá está a mamãe’”, conta com carinho. “Então eu estou bastante orgulhoso de quem eles estão se tornando. E tudo que eu faço é pensando neles. Quero poder dar uma educação melhor, pagar uma faculdade e estar sempre presente dando suporte e amor”, finaliza. 

Quem quiser conhecer ou ajudar a família com doações ou dinheiro pode entrar em contato pelo telefone (55) 99654.6241. As doações financeiras podem ser repassadas pelo pix 018.692.410-02. 
 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.