A reinvenção por meio da produção ecológica

Foram as alergias que o agricultor Jorge Salton passou a apresentar na pele há cerca de 20 anos que fizeram ele e a família abandonarem o uso de agrotóxicos e investirem na produção ecológica. Hoje, aos 60 anos, orgulha-se ao dizer que não apenas a sua produção no distrito de Faria Lemos, mas também a alimentação é baseada exclusivamente em orgânicos. Alguns produtos, como a farinha de milho, vêm do que eles plantam. Outros itens como café, açúcar e farinha de trigo, a família compra de produtores de outras localidades. “Até o arroz é orgânico”, afirma Salton.

A reinvenção do trabalho veio em um momento que o agricultor pensava em desistir do campo e mudar-se para a cidade. “Eu desisti da ideia quando percebi que ia ter que comprar os alimentos e não ia estar livre dos agrotóxicos”, conta. Antes de iniciar a produção, foi conhecer propriedades no município de Ipê, que há 30 anos investe no ramo.

  • A produção da família iniciou com a uva. “No início era mais difícil. Vendíamos a uva orgânica como convencional porque não tinha quem comprasse”, comenta. Depois, encontraram compradores, que usavam a fruta como matéria-prima para sucos e vinhos ecológicos. Com o passar dos anos, a lista dos itens produzidos na propriedade aumentou e agora inclui ovos, queijos, geleias, frutas, legumes e hortaliças. “Os produtos têm boa aceitação. Sobra pouca coisa ao final da feira”, destaca. Alguns são vendidos apenas sob encomenda, como é o caso do queijo e dos ovos, já que são produzidos em menor quantidade.       
  • Salton explica que a produção de orgânicos é um pouco mais trabalhosa, pois exige mais mão de obra. “Hoje a produção não é tão difícil, pois tem agrônomos que investem em pesquisas na área”, observa. Salton conta com a ajuda da mulher Serlei e de dois filhos. “Trazia os meninos na feira quando eles eram pequenos e acabaram gostando”. Apenas a filha optou por sair da propriedade para estudar e conclui a faculdade de Farmácia neste ano.

    Em alguns produtos, como o pêssego, por exemplo, a perda da produção orgânica em relação à convencional é maior. “Mesmo assim compensa, pois ganhamos no preço”, avalia. Por exigir mais trabalho na produção, os itens acabam tendo um valor agregado maior. “Aqui ainda é mais barato do que em Porto Alegre”, exemplifica Salton. Quando as plantas precisam de algum tratamento, o uso de produtos químicos é evitado. A família recorre a alternativas mais ecológicas, como cinza, melado ou leite. 

    Dia do Colono

    Desde 1969, no dia 25 de julho é comemorado o Dia do Colono, como forma de homenagear os colonizadores que vieram ao Sul do Brasil após a independência do país, em 1822. Foi nesta data, em 1824, que chegaram 39 famílias alemãs à Real Feitoria da Linha Cânhamo, atual cidade de São Leopoldo (RS).

     

    É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

    Siga o SERRANOSSA!

    Twitter: @SERRANOSSA

    Facebook: Grupo SERRANOSSA

    O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.

    Deixe uma resposta

    Seu endereço de email não será publicado.