Almadén inicia 2011 com colheita mecânica pioneira

A Vinícola Almadén, uma das mais importantes do segmento de vinhos no mercado nacional, integrante da Miolo Wine Group, iniciou a colheita 2011 de uvas de forma pioneira no país. Desde o dia 2 de fevereiro, a máquina da marca PELLENC, fabricada na França, faz a colheita mecânica de cerca de 200 hectares de parreirais, um terço de toda área produtiva da vinícola.

A empresa investiu R$ 500 mil na aquisição da máquina e na reforma dos vinhedos para viabilizar a colheita mecânica e a um novo padrão de qualidade. Os parreirais antigos tiveram suas estruturas de sustentação revitalizadas e foram estreitados e elevados para se adequarem ao tamanho da máquina, que “abraça” as parreiras para fazer a colheita. O resultado, segundo o diretor da Almadén, Afrânio Moraes, poderá ser observado na qualidade ainda maior dos vinhos.

“Com isso, a uva ganha mais luminosidade, aeração e maior área foliar. Isso melhora a qualidade das uvas e, consequentemente, dos vinhos”, explica Afrânio Moraes.

Da mesma forma, os vinhos Almadén se beneficiam da nova técnica pela precisão e velocidade. Segundo o diretor, a máquina permite o planejamento do dia e hora da colheita conforme seu grau de maturação, o que não era possível com a colheita manual.

Mesmo com a mecanização dos trabalhos, a Almadén não reduziu o número de safristas, mantendo os mesmos 150 contratados em 2010, que estão trabalhando na colheita dos 300 hectares restantes. A máquina PELLENC opera das 4h às 23h.

Segundo o diretor da Almadén, a vinícola pretende preparar mais 100 hectares para a colheita mecânica no ano que vem. Para isso, serão investidos mais R$ 250 mil.

A colheita da safra 2011 começou no dia 25 de janeiro na Vinícola Almadén, localizada na região da Campanha, em Santa do Livramento (RS). Iniciou-se pelas uvas brancas da variedade gewurztrminer, chenin blanc e sauvignon blanc, e, em seguida, pelas uvas tintas gamay. A expectativa deste ano é colher de 4,5 milhões de quilos de uva.

Outros investimentos

Além da máquina de colheita, a Almadén investiu em torno R$ 300 mil em outras três tecnologias para elevar ainda mais a qualidade de suas uvas. Foram adquiridas no final de 2010 as máquinas de poda verde (também conhecida como despontadeira), desfolhadora (que retira as folhas que encobrem os cachos) e desbrotadeira (que arranca os brotos nascidos em locais inadequados).

A vinícola também foi equipada no ano passado com uma prensa pneumática contínua, equipamento que viabiliza a melhor extração de aromas das uvas, e com uma usina de nitrogênio, que permite um processo de elaboração ainda mais natural e controlado. A Almadén investiu em outros equipamentos, como o filtro a vácuo, no aumento da capacidade de refrigeração e na modernização de todo o processo de elaboração.

Ainda em 2010, a empresa renovou suas três certificações: a ISO 9001 (qualidade), ISO 18001 (segurança e saúde no trabalho) e a ISO 14001, certificação que comprova o cuidado e atenção da empresa com o meio-ambiente na vinícola e nos vinhedos. Também houve uma modernização nas embalagens, que seguem o conceito de sustentabilidade. As garrafas se tornaram mais leves e as rolhas foram substituídas por tampas de roscas, todos itens recicláveis e de menor impacto ambiental.

A Vinícola Almadén elaborará seu primeiro vinho ícone, um Tannat proveniente das mais velhas vinhas da empresa, todas com mais de 30 anos. Além disso a empresa prevê ainda para esse ano o desenvolvimento de uma linha de espumantes para completar o segmento de vinhos efervescentes, onde já existe os frisantes da linha Sunny Days.

Com informações da Moglia Comunicação Empresarial.

Siga o SerraNossa!

Twitter: http://www.twitter.com/serranossa

Facebook: Jornal SerraNossa

Orkut: http://www.orkut.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.