Apicultores relatam morte de dezenas de colmeias no Vale dos Vinhedos

A primavera se aproxima e, junto a ela, um problema recorrente na região da Serra Gaúcha: a mortandade de abelhas. Na manhã desta terça-feira, 14/09, um apicultor da Linha 40 da Leopoldina, no Vale dos Vinhedos, constatou a perda de cerca de 30 colmeias. O mesmo teria acontecido na propriedade ao lado, onde dezenas de colmeias também foram perdidas nos últimos dias. “Na semana passada meu pai fez a limpeza e não tinha nenhuma abelha morta. Hoje, foi dar uma olhada e constatou a perda de todas as colmeias”, lamenta o apicultor Tiago Fedatto. 

No local, Fedatto e sua família cultivam abelhas há cerca de oito anos e, desde então, nunca tinham constatado um número tão grande de colmeias perdidas. 


 

O extensionista rural da Emater de Bento Gonçalves, Neiton Peruffo, revela que a provável causa da mortandade em larga escala no local seja decorrente da intoxicação pelo uso de inseticidas. “As abelhas viajam a uma distância de até 3 km das colmeias para fazer a coleta do pólen e, pelos sintomas apresentados, 95% de chances de que a causa tenha sido o uso incorreto de inseticidas”, comenta. 


 

Conforme Peruffo, nesta época do ano os agricultores costumam fazer um controle de formigas em suas plantações e acabam utilizando produtos não registrados para a cultura da uva, por exemplo. O produto, então, fica na área e acaba contaminando as abelhas. Além disso, ele relata que alguns produtores acabam utilizando os inseticidas de forma incorreta, aplicando na parte superior da plantação, ao invés de apenas no solo. “Infelizmente, todos os anos temos relatos de mortandade de enxames”, lamenta. 

Como alerta aos agricultores, Peruffo ressalta a importância do papel das abelhas no processo de polinização, especialmente das frutas, e o impacto negativo que sua morte provoca em toda cadeia alimentar. Ainda, complementa a relevância do retorno financeiro às famílias dos apicultores, que têm a comercialização do mel como sua principal fonte de renda. 

Agora, a ocorrência da mortandade das abelhas na propriedade já foi repassada à Inspetoria Veterinária do Estado. A expectativa é que, ainda nesta semana, o veterinário responsável compareça ao local para coleta de amostras. A análise para confirmar a causa da morte deve ficar pronta em 15 dias.

Fotos: arquivo pessoal

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.