Assassinatos em Bento têm redução de 55% no primeiro semestre

Até o momento, foram registrados nove homicídios no município, contra 20 no mesmo período do ano passado

Imagem ilustrativa. Crédito: Unsplash

Assim como no restante do Rio Grande do Sul, Bento Gonçalves também tem apresentado redução nos índices de crimes contra a vida neste ano. Após um aumento dos homicídios registrados em todo o ano passado, saltando de 25 para 38 entre 2020 e 2021, neste ano os índices voltaram a cair. Pelo menos é o que aponta o levantamento parcial do ano.

Foram nove assassinatos registrados no primeiro semestre de 2022 em Bento, contra 20 no mesmo período do ano passado – uma redução de 55%.

Desses, cinco estão sendo investigados pela 1ª Delegacia de Polícia (1ªDP) e quatro pela 2ª Delegacia de Polícia (2ª DP). A divisão da investigação dos crimes é baseada na região do município no qual eles são cometidos.

Em relação aos casos investigados pela 2ª DP, dois já foram elucidados e remetidos ao Poder Judiciário. Um deles é o caso da vítima Rafael José de Souza, de 28 anos, morto com um golpe de faca na rua Ernesto Celso, bairro Fátima; e outro do morador de rua Baltasar da Silva Fonseca, de 37 anos, o qual foi enquadrado como latrocínio. O homem foi agredido no dia 24/04, quando também teve seu celular roubado. Ele ficou internado na UTI do Hospital Tacchini por cerca de um mês, mas acabou morrendo em 20/05.

O autor do latrocínio foi identificado ainda no dia 13/05. Trata-se de um homem de 33 anos, que possui diversos antecedentes por crimes contra o patrimônio. Ele se encontra preso desde o dia 10/05 em razão de furto.

Outros dois homicídios, das vítimas Gilberto Ferreira Machado, de 44 anos, e Jonathas da Silva, de 35 anos, seguem em investigação.

Já dos cinco assassinatos investigados pela 1ª DP, dois já foram remetidos ao Judiciário – o caso de Giovani Reuhs, de 22 anos, morto no dia 19/02, no loteamento Bertolini, tendo dois indiciamentos por homicídio qualificado e um por favorecimento real ; e o caso da vítima Antônio Vilmar Moraes, de 52 anos, morto no dia 13/03, na Linha Eulália. Deste, duas pessoas foram indiciadas por homicídio qualificado e ocultação de cadáver. Outro ainda estaria em andamento, mas já com autoria esclarecida. É o caso de Vinícius Burgos Martins, de 23 anos, morto a tiros no dia 16/05, na avenida Alviazul, bairro São João. Segundo as investigações, assim como a vítima, os autores do crime são de Pernambuco. Outros dois homicídios também seguem em investigação nessa delegacia.

De acordo com o delegado titular da 1ªDP, Renato Nobre Bias, um dos grandes motivos que levaram à redução dos crimes contra a vida na cidade foi a prisão dos principais indivíduos envolvidos com facções criminosas e tráfico de drogas. “Acredita-se que a maior influência dos homicídios que ocorrem entre as facções são as disputas por território. E agora estamos com a situação mais controlada”, comenta.

Em maio, o governo do Estado do RS já havia divulgado dados positivos em relação aos homicídios. No período, houve uma redução de 5,3% em comparação com o mesmo mês do ano passado. O dado vem numa tendência de queda desde os últimos três anos, sendo justificada pelo governo pela implantação do programa RS Seguro. Em maio, o indicador caiu de 132 para 125 assassinatos em relação a 2021 – o menor total para o período desde 2007.

Em relação às 171 mortes registradas em maio de 2018, antes da criação do programa, a queda chega a 26,9%. E frente ao pico de 233, um ano antes, a retração atinge 46,4%.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.