Aulas de futsal elevam autoestima e força de pessoas surdas em Bento

Iniciativa do ex-jogador de vôlei Ronaldo Henrique, mais conhecido como Royal, teve início neste ano, englobando alunos de diversas idades

As aulas ocorrem semanalmente das 18h às 19h nas terças; das 16h às 17h nas quintas; e das 14h às 17h nos sábados. Foto: Divulgação

A aceitação é um desafio diário entre as pessoas com deficiência. E não somente da sociedade em relação a esse público, como também do próprio deficiente em relação a si mesmo. Muitos jovens e adultos acabam se escondendo dentro do seu próprio mundo, para não ter que enfrentar os preconceitos e os desafios diários de uma sociedade ainda pouco inclusiva.

Foi pensando nesse cenário que o ex-jogador de voleibol Ronaldo Henrique, mais conhecido como Royal, decidiu inovar com uma atividade especial em Bento Gonçalves. Há cerca de dois meses, ele passou a oferecer aulas de futsal para surdos no município. A ação ocorre as terças, quintas e aos sábados, na escola General Bento Gonçalves da Silva, no Centro. São 29 alunos de diferentes faixas etárias, homens e mulheres, unidos em um momento de descontração, divertimento e aprendizado.

Royal é natural de São Paulo e jogou em diversos times do Brasil, Itália, Irã e Portugal por 26 anos. Além de se destacar por tanto tempo na posição de levantador, fora de quadra o ex-jogador vem dando exemplo de empatia. Ao passar uma temporada jogando em Bento, Royal conheceu sua esposa em Pinto Bandeira e fez da região a sua nova casa. Foi aqui que seu maior projeto de vida foi posto em prática.

Em 2015, Royal criou a ONG Vivendo Esporte. Os trabalhos iniciaram em Pinto Bandeira, com o ensinamento de vôlei para crianças. Nos anos seguintes, a iniciativa se expandiu para Bento, Farroupilha, Nova Roma e São Paulo. Atualmente, a ONG atende quase 900 crianças, em nove núcleos do projeto “Paixão pelo Esporte”. Dois desses núcleos são em Bento, na associação ABRACAÍ e no Ceacri Balão Mágico. Também há dezenas de crianças sendo atendidas no bairro Municipal.

Royal criou a ONG Vivendo Esporte em 2015 e, desde então, tem levado esporte, diversão e aprendizados a pessoas em vulnerabilidade social. Foto: arquivo pessoal

Aliada às ações voltadas às crianças, o ex-jogador sempre manteve um contato direto com a Associação de Surdos de Bento Gonçalves. “Em 2014 eu trabalhava na Câmara de Vereadores e fui conhecendo as entidades de Bento. Quando conheci a associação dos surdos, me apaixonei pelo trabalho deles e me comovi pela dificuldade que tinham em trabalhar, devido à falta de estrutura. Então comecei a ajudá-los de algumas formas”, recorda Royal.

Com a criação da ONG, o ex-jogador percebeu que poderia utilizar o esporte para também auxiliar a comunidade surda de Bento. “Começamos com aulas de vôlei, mas não era o foco deles e vieram poucos alunos. A paixão deles sempre foi o futsal”, conta.

Neste ano, a partir do Estado Pró-Esporte RS, as aulas de futsal começaram a ser oferecidas no município. Logo nos primeiros dias, começaram a aparecer surdos de todas as idades. Homens e mulheres. Crianças e adultos. As aulas são gratuitas e ministradas pelo professor Francisco Osório Pereira Ourique. Cada aluno recebe um uniforme para a prática. “O objetivo é atingir o maior número de surdos possível”, comenta Royal.

Um intérprete auxilia nas aulas, mas o ex-jogador conta que já iniciou um curso de libras para conseguir se comunicar melhor com os alunos. “É uma verdadeira paixão. Quero conseguir me aproximar cada vez mais deles”, afirma.

E o nome do projeto, “Somos Fortes”, vai ao encontro do intuito principal da iniciativa: “inserir os surdos na sociedade. Mostrar que eles são fortes e não precisam ficar escondidos. Colocar eles como pessoas normais, que é o que eles são. Temos muito a aprender com eles”, finaliza.

As aulas ocorrem semanalmente das 18h às 19h nas terças; das 16h às 17h nas quintas; e das 14h às 17h nos sábados. Mais informações pelo telefone (WhatsApp) (54) 99677.9791.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.