“Buscamos reduzir índices, melhorar a qualidade de vida e trazer mais segurança à população”, diz novo comandante

Tenente-coronel Artur Marques de Barcellos atuou por 17 anos no Batalhão de Choque de Santa Maria e afirma que trabalhará fortemente com a prevenção e a repressão da criminalidade na região

Foto: Eduarda Bucco

Desde o dia 14/02, o 3º Batalhão de Policiamento de Áreas Turísticas (3º BPAT), com sede em Bento Gonçalves, passou a contar com um novo comando. Natural de Santa Maria, o tenente-coronel Artur Marques de Barcellos assumiu o posto até então comandado pelo tenente-coronel Luis Fernando Becker, que foi transferido para Farroupilha.

Barcellos deixou o cargo de comandante da Escola de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos – (EsFAS), em Santa Maria, para se mudar para Bento Gonçalves, e carrega um amplo currículo na área de Segurança Pública. Foram 17 anos de atuação no Batalhão de Choque daquele município, ganhando experiência e expertise na área operacional. “É uma área ligada a operações especiais, com atuação direta nas ruas. Então hoje sou uma pessoa muito envolvida na área operacional e no combate à criminalidade. E minha passagem pela escola [de Formação e Aperfeiçoamento de Sargentos] também teve relevância nessa parte de instrução e preparação de policiais”, comenta o novo comandante.


Há mais de um mês no município, Barcellos já traça algumas comparações entre as regiões de Bento e Santa Maria. Tendo cumprido a maior parte de sua vida profissional na cidade natal, o tenente-coronel afirma haver semelhanças em relação à integração da Brigada Militar com a comunidade. “Mas também há diferenças gritantes. Aqui é uma região muito turística, pujante no sentido industrial e na produção vitivinícola. Já Santa Maria é muito ligada à prestação de serviços, um outro perfil socioeconômico”, compara.

Sobre os índices criminais, Barcellos afirma que, em dados absolutos, Santa Maria possuía números mais elevados, tendo em vista o tamanho da cidade – mais de 280 mil habitantes, contra 123 mil em Bento. “O que a gente constatou [nessas primeiras semanas] foram reduções significativas de crimes, principalmente contra a vida. Vejo Bento Gonçalves como uma comunidade com uma segurança muito forte, tanto pela atuação da BM, quanto dos outros órgãos de segurança”, analisa.

Roubos recorrentes

Desde 2021, apesar da redução da maioria dos índices criminais, especialmente os homicídios, Bento Gonçalves vem registrando altas em ocorrências de roubos. No ano passado, o aumento dos roubos a pedestre foi de mais de 100% em comparação com 2020. Neste ano, uma maior ocorrência de roubos a estabelecimentos comerciais e, pontualmente, roubos de veículos, já pode ser percebida pela comunidade.

Em relação a esses índices, o novo comandante afirma que o 3º BPAT tem trabalhado fortemente com planejamento, estatísticas e análise de incidência desses delitos, dos locais e horários com maior número de ocorrências. “Já fizemos um planejamento específico”, afirma Barcellos. Além disso, as ações de presença e visibilidade têm se mostrado efetivas. Como resultado, durante entrevista com o SERRANOSSA no dia 04/03, o comandante expôs que o município completava mais de 15 dias sem registros de roubos a pedestres. “Vamos tentar minimizar e zerar todos os índices possíveis. Mas sabemos que não vamos conseguir que todos os fatos deixem de acontecer”, comenta Barcellos. “Temos que trabalhar fortemente na prevenção, que é o mote institucional, e após a incidência, estudar prováveis rotas de deslocamento e destino do fruto dos roubos, para então atuar na repressão qualificada. Empregando barreiras policiais, buscando também retirar armas de circulação e efetuar a prisão de foragidos”, revela.

Foto: Eduarda Bucco

Tráfico de drogas

Há alguns anos, o tráfico de drogas tem sido apontado como o grande responsável pelos crimes contra a vida no município. Durante a pandemia, entretanto, os homicídios começaram a apresentar reduções significativas. Apenas nestes primeiros meses de 2022, a redução em relação ao mesmo período do ano passado é de 50% – foram oito mortes registradas até os primeiros dias de março de 2021, contra quatro neste ano. “Mesmo assim, qualquer morte já é relevante. Seja o número que for. Então não vejo motivos para comemorar. Pelo contrário. Nossa busca é para que esse tipo de delito não ocorra”, afirma Barcellos.


Sobre as atuações contra o tráfico, o comandante afirma que a BM está “batendo com força” nesse delito e trabalhando com o setor de inteligência e monitoramento, principalmente por ser um crime que fomenta todos os outros índices – roubos e furtos para captação de recursos para alimentar o tráfico, por exemplo. “Muitas vezes o próprio entorpecente é fator motivacional para alguém realizar uma conduta inadequada. É algo que entra nas famílias, que ajuda a desestabilizar questões familiares, que aumenta a violência doméstica, entre outros pontos. É uma cadeia bastante grande de problemas”, comenta.

Para auxiliar nesse combate, Barcellos afirma que o 3º BPAT continuará atuando forte com outros órgãos de Segurança Pública, principalmente por Bento Gonçalves pertencer ao programa RS Seguro, do Estado, “que estabelece alguns indicadores e fomenta essa integração como um todo”. “No dia 03/03 tivemos uma reunião com os órgãos do município [Polícia Civil, Guarda Civil Municipal, Instituto-Geral de Perícias e Susepe], visando à manutenção e o aprimoramento dessas atividades e da troca de informações”, conta.

Já “se sentindo em casa” em Bento Gonçalves e demonstrando alegria em assumir a função no município, Barcellos finaliza sua fala com uma mensagem à comunidade: “Buscamos reduzir índices, melhorar a qualidade de vida e trazer mais segurança aos moradores e turistas. A gente se prepara toda a carreira para esse ápice, que é o de comandar. Sinto-me preparado e amparado por uma equipe de trabalho muito boa, comprometida e proativa. Tenho junto comigo o subcomandante major Nelson Ceolan Junior, que também tem uma experiência muito forte na área operacional [atuou no Batalhão de Choque de Passo Fundo]. E estaremos sempre à disposição da comunidade, aprendendo e aprimorando nosso trabalho”.