Casos de dengue em Bento não foram confirmados

A preocupação com a incidência de dengue em Bento Gonçalves aumentou nas últimas semanas com a divulgação de casos no estado. Apesar de cinco notificações terem sido feitas à Secretaria Estadual da Saúde, nenhum dos pacientes teve a doença confirmada.

O responsável pelo setor de vigilância epidemiológica da Secretaria Municipal da Saúde, enfermeiro José Antônio da Rosa, explica que sempre que um paciente é atendido no hospital ou no Pronto Atendimento Médico 24 horas com sintomas semelhantes aos da doença, é feita a notificação. “A partir da suspeita do médico, a Secretaria investiga o caso, faz a coleta de sangue e, quando positivo para dengue, o paciente é encaminhado para tratamento”, detalha. Os casos locais, até o momento, foram notificados, mas não confirmados. “Descartamos os cinco casos, pois, embora tivessem sintomas semelhantes, eram outras doenças que não a dengue”, tranquiliza.

Mesmo sem a confirmação de casos, a localização de larvas do mosquito Aedes Aegypti, transmissor da doença em três das 180 armadilhas da Secretaria Municipal da Saúde preocupa. Foram encontradas larvas nos bairros Progresso, Borgo e Vila Nova. “A partir da confirmação de que se trata das larvas deste inseto é feita uma varredura em um raio de 300 metros a partir do ponto em que a armadilha foi instalada, com verificação de todas residências, estabelecimentos ou terrenos nesta área. Nos três casos não houve novas larvas, elas ficaram restritas aos lugares de origem”, comenta a veterinária da Secretaria Municipal da Saúde (SMS) Analiz Záttera.

A criação de um laboratório de entomologia para a SMS possibilita agilidade na hora de confirmar se as larvas são mesmo do mosquito transmissor da dengue. Antes as amostras suspeitas eram enviadas a Caxias ou Porto Alegre. “Das larvas locais, 99,9% são de mosquitos comuns, tipo pernilongos, ou de espécies não-identificadas que não o Aedes Aegypti”, comenta Analiz. Isto não significa, no entanto, que a cidade está livre da doença, segundo a veterinária. “Bento Gonçalves, hoje, não é considerada cidade infestada, uma vez que as larvas estão restritas às armadilhas e estão monitoradas. Entretanto, não podemos deixar os cuidados de lado”, alerta.

Ainda segundo Analiz, com a chegada das estações mais amenas, como o outono e o inverno, a tendência é que o surgimento de larvas diminua. Isto porque o calor típico do verão e a incidência de bastante chuva, a exemplo do que vem ocorrendo neste ano, facilita a proliferação.

Casos notificados*

Ijuí – 58 notificações – 2 casos confirmados (importados)

Porto Alegre – 31 notificações – nenhum caso confirmado

São Luiz Gonzaga – 30 notificações – 3 casos confirmados – 1 caso importado

Gravataí – 16 notificações – nenhum caso confirmado

Santa Rosa – 11 notificações – nenhum caso confirmado

Santo Ângelo – 11 notificações – nenhum caso confirmado

Passo Fundo – 7 notificações – nenhum caso confirmado

Alvorada – 5 notificações – nenhum caso confirmado

Bento Gonçalves – 5 notificações – nenhum caso confirmado

Campo Bom – 1 caso confirmado (importado)

Guaíba – 1 caso confirmado (importado)

Montenegro – 1 caso confirmado (importado)

Santa Maria – 1 caso confirmado (importado)

Total de notificações: 227

Casos confirmados: 10

Transmissão na própria cidade: 3

Casos importados (contraídos em outra cidade): 7

* Computadas as cidades com o maior número de casos notificados no Rio Grande do Sul entre os dias 1º de janeiro e 21 de fevereiro

Fonte: Sinan/Secretaria de Estado da Saúde

 

Greice Scotton

 

Siga o SerraNossa!

Twitter: http://www.twitter.com/serranossa

Facebook: Jornal SerraNossa

Orkut: http://www.orkut.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.