Desembargador do TRE pede vistas e julgamento de Diogo, Amarildo e Pasin é suspenso

Após mais de duas horas e meia de audiência, o julgamento que avaliaria a cassação do prefeito e vice de Bento Gonçalves, Diogo Siqueira e Amarildo Lucatelli, e também a inelegibilidade do ex-prefeito Guilherme Pasin no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) foi suspenso, após o desembargador Francisco José Moesch pedir vistas nos dois processos que os políticos estão envolvidos.

O primeiro processo avaliava a publicidade vedada durante a campanha eleitoral, impetrada pela coligação “Bento Unido e Forte”, do então candidato Alcindo Gabrielli. No voto, o desembargador relator Oyama de Moraes defendeu a não cassação dos mandatos, mas a aplicação de multa de 40 mil UFIR (que, hoje, representaria R$ 42,564). O voto do relator foi seguido pelo desembargador Luis Alberto D'Azevedo Aurvalle. Logo após, Moesch pediu vistas. Os outros quatro desembargadores optaram por não revelar os votos após o pedido de vistas e o julgamento desse processo acabou suspenso.

Em seguida, começou o julgamento do processo movido pela coligação “Gestão e Trabalho”, do então candidato Paulo Caleffi, que também entrou com ação contra a chapa eleita, afirmando que Diogo e Amarildo haviam se beneficiado com publicidade institucional. Neste processo, o relator Moraes sugeriu multa de 20 mil UFIR (que, hoje, representaria R$ 21,280). Em seguida, Moesch também pediu vistas e o julgamento foi suspenso.

Com isso, os trabalhos foram encerrados e ainda não há uma nova data para a continuidade do julgamento. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.