Ensaio sobre a representatividade do herói na sociedade moderna

Surgem fatos incontestáveis que reafirmam a marginalidade de um governo. Logo, percebemos um debate sobre qual partido roubou mais. “Roubar mais” se torna, então, a justificativa dos que defendem a permanência do atual governo. Uma falha grotesca então derruba a máscara dos que usam tal argumento, pois alguém que justifique suas escolhas através do “menos pior” somente reafirma sua própria falha de caráter. Essa é uma verdade indubitável.
Assassina-se o mito do herói. E qual o princípio que dita este herói? Talvez a qualidade de colocar o outro acima dele próprio. O herói dá a vida pela sua causa, ele prefere morrer na verdade a viver na mentira. O herói, através do sacrifício, perpetua seu nome na história e ajuda a moldar os valores da sociedade. Joseph Campbell demonstra claramente isso em “O Poder do Mito” e “O Herói de Mil Faces”.
Aprofundo-me então na questão e faço um comparativo entre os antigos heróis e os atuais. As histórias passadas de pai para filho. Os contos gregos. Os corredores de Alexandria que deviam, em grande parte, vangloriar a jornada desses heróis. E as histórias em base seguem as mesmas: basta você ir ao cinema e verá lá aquele que parte, cresce durante a aventura e retorna disposto a morrer pela honra, pois só a honra traz a real glória.
A sociedade não percebe o poder deste mito. Você bem provavelmente não perceba o poder desse mito que constantemente lhe influencia. O herói é portador do sacrifício. O herói ensina o homem a amar sua mulher e não a trocá-la por outras, mais jovens e belas. O herói ensina o poder de um pai presente, um pai que dá os exemplos através de suas atitudes. Para ser um herói, não é necessário pular em frente a uma bala, entrar em um prédio em chamas ou se vestir de Batman para combater o crime durante a noite. Ser um herói consiste em ser íntegro, resistir às tentações por saber que implicam em magoar outros. A atitude heroica consiste principalmente na abdicação de um extinto animalesco em prol da consciência de que aquele ato prazeroso para mim pode causar extrema dor em outros.
Não é à toa que vivemos em uma geração de gente brocha. Não é difícil prever a covardia das próximas gerações. Não há mais exemplos de heróis. Você liga a teve e vê um apresentador de Big Brother chamar qualquer estúpido participante de herói. Você ouve um debate político e vê pessoas justificando as falhas dos seus através das falhas de outros. O caráter do herói se tornou um amontoado de covardia que se vale de varrer a sujeira sempre para o outro lado.
Surge essa fundamental questão: quem são nossos heróis atuais? Na política, Lula surgiu como sendo o pobre, a vítima, o lutador vencendo até mesmo a deficiência física. Lula foi o ícone da mudança pelo simples fato de agir como pobre e humilde. Não demorou a arrecadar fãs. Esses que defendem o bandido Lula são seus filhos. E como podem filhos ter caráter quando criados por um pai sem dignidade?
O herói se personifica na sociedade, ele lapida os pilares da dignidade. Quando carecemos de exemplos, fracassaremos nas atitudes. Quando aqueles que deveriam ser o exemplo se tornam os bandidos, a sociedade desaba, o marido deixa de ser um bom marido, o pai falta para seu filho.
Faltam heróis nos dias atuais? Não. O que nos falta é aprender a reconhecer esses verdadeiros heróis. Enquanto nos curvarmos para uma pessoa pelo simples fato dela não ter um dedo, falar errado e se declarar pobre; enquanto ligarmos a TV vangloriando jogadores de futebol; enquanto não nos enojar alguém chamar de heróis participantes de um mero programa de TV não haverá chance para uma real mudança. Nós somos aquilo que admiramos. 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.