Estudante de moda da UCS ganha viagem a Paris

O formando em Tecnologia em Design de Moda João Maraschin foi o vencedor do 23º Prêmio UCS/Sultextil na noite de terça-feira, 28, no Campus 8 da Universidade de Caxias do Sul, RS. Com os tecidos Sultextil Vatai, listrado de fio tinto, e Top Jersey, ambos da gama Pitaia, de cor laranja, Maraschin encantou o júri por sua habilidade na modelagem e por uma argumentação relevante, que teve como ponto de partida o conceito de Modernidade Líquida, de Zygmunt Bauman.

O tema desta edição, Efêmero, inspirou os looks dos alunos participantes, que deram um show de criatividade no desfile com tecidos Sultextil da coleção Verão 2012.

Maraschin, que recebe como prêmio uma viagem a Paris para acompanhar os principais eventos de moda da próxima temporada, comunica com a sua criação que efêmera é a vida. Composto por dois corpos, um feminino e um masculino sobrepostos, o look de Maraschin tem como destaque uma calça em modelagem sem fim, circular, em Top Jersey, que reforça a ideia de fluidez que caracteriza a atualidade.

Entre os jurados dessa edição, o estilista Ronaldo Fraga, reconhecido pela crítica internacional por realizar, em seus desfiles, o diálogo da cultura brasileira com o mundo contemporâneo, destacou a evolução da Moda no Sul a partir do prêmio. Segundo Fraga, que prestigiou há cerca de 10 anos o evento, é nítido o crescimento no nível dos trabalhos apresentados.  

Com duas edições anuais, no fim de cada semestre letivo, o prêmio segue há 12 anos com o apoio da Sultextil. Para a diretora da empresa, Paola Reginatto Vist, o resultado da parceria é cada vez mais gratificante, com claros reflexos no competitivo mercado de moda brasileiro.

Menções Honrosas evocam meio ambiente e comportamento

Receberam menções honrosas no 23º Prêmio UCS/Sultextil Verônica Conci, que também trabalhou com os tecidos Sultextil Vatai e Top Jersey da gama Pitaia, e Franciele Lazzari, com os tecidos Sultextil Landra e Jump.

Verônica buscou inspiração na fotossíntese realizada pelas algas marinhas para trabalhar com uma temática de fundo ambiental, que chama a atenção para o esforço de limpeza da natureza, permanentemente ameaçada pela poluição: “efêmero é o ar”.

O vestido apresenta nervuras, remetendo às folhas, e franjas que simbolizam o movimento das algas na água do mar. Um capuz que vira echarpe e a assimetria – com e sem manga, ilustram a transformação.

Franciele demonstrou que “efêmero é… o humor”, apresentando o transtorno bipolar. A formanda desenvolveu uma coleção em que os listrados são uma importante referência. Seu look tem como destaque um maxicapuz com gola volumosa, representando o peso do transtorno sobre a cabeça. O vestido soltinho, em Jump, busca as listras do Landra para o efeito de abertura do humor na barra.  A geometria representa, também , a busca por equilíbrio.

 

Siga o SerraNossa!

Twitter: http://www.twitter.com/serranossa

Facebook: Jornal SerraNossa

Orkut: http://www.orkut.com.br

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.