Estudantes de Bento desenvolvem podcast para compartilhar conhecimento

O grupo formado pelos alunos Fernando, Gabriel, Vitor e Vitória, da EEEF Luiz Fornasier, dá os passos iniciais na iniciativa que busca disseminar informação de qualidade

Foto: Lucas Marques

Os podcasts são formas de comunicação cada vez mais comuns no dia a dia dos brasileiros. Com assuntos diversos, que vão desde política a biologia, de bem estar a cinema, os programas em áudio realizam uma troca de informações diária com os seus ouvintes fieis. Essa troca é o objetivo do MentalCast, um projeto de podcast desenvolvido por quatro alunos do 7º ano da Escola Estadual de Ensino Fundamento Luiz Fornasier, localizada no bairro Botafogo, em Bento Gonçalves.

Fernando Nodari, Gabriel Heberle, Vitor Dal Moro Alves e Vitória Gringer, que têm entre 12 e 13 anos, decidiram que era hora de agir em nome do conhecimento. Não que as aulas deixassem de cumprir o seu papel, pelo contrário, mas que era necessário procurar por uma ferramenta que pudesse levar algo a mais aos estudantes. Focado no público escolar – mas aberto a todas as faixas etárias – o MentalCast tem previsão de estreia para 22 de novembro, com início das gravações agora em outubro. Animados e com várias ideias para o projeto, os estudantes compartilharam com o SERRANOSSA o que vem pela frente.


De acordo com Gabriel, o MentalCast irá receber convidados das mais variadas áreas, seja da cultura, da saúde, da educação, entre outras, para uma conversa informal sobre diversos temas, tudo de uma forma acessível, mas que também desperte a curiosidade e dê confiança aos estudantes para que busquem o conhecimento por conta própria. Por exemplo, o podcast pretende trazer um profissional da Psicologia para explicar temas de saúde mental – que já são comuns em pessoas jovens – ou um especialista em oratória, que converse e explique como superar o medo de falar em público – algo importante para o presente e, ainda mais, para o futuro.

Apoio

A turma recebe apoio da professora Júlia Petroli Tesser, que leciona Ensino Religioso. Segundo ela, é comum se deparar com estudantes cada vez mais desinteressados na escola. “Hoje parece que os adolescentes perderam o foco do estudo”, diz. Segundo Júlia, tem sido normal que estudantes deixem o conhecimento de lado, focando apenas em trivialidades. Contudo, ainda há aqueles que buscam se diferenciar.

“Foi muito massa quando eles me chamaram para dizer que gostariam de passar o conhecimento para frente, porque talvez inspire outros alunos a levarem a sério o estudo e também irem atrás da sua cultura, de coisas diferentes”, pontua. A ‘profª coruja’ ainda elogia a equipe por ter iniciativa de fazer algo diferente. “Super interessados em se comunicar com gente diferente, de áreas diferentes e realmente aprender com isso. Acho que é uma ideia que não se vê mais acontecendo. Eles são fantásticos e eu super apoio eles nesse projeto.”

Além de contarem com o ajuda da professora Júlia, os jovens recebem apoio dos pais e familiares, que veem o projeto como uma boa oportunidade de crescimento não só aos filhos, mas à comunidade escolar como um todo.

O grupo estudo da Escola Luiz Fornasier, em Bento Gonçalves. Foto: Lucas Marques

Cultura como pilar

A cultura será um dos principais focos do MentalCast. Segundo os estudantes, percebe-se que, cada vez mais, colegas da mesma idade (ou até mais velhos) têm deixado de lado a cultura, principalmente a brasileira, que é rica e cheia de significado. “A cultura do Brasil é muito bonita. Tem muitas culturas juntas e muitos jovens, hoje em dia, não valorizam essa cultura”, afirma Vitória. “O Brasil tem uma capacidade muito grande de ser um país muito bom, só que muitos jovens na nossa idade não valorizam. O Brasil tem uma culinária maravilhosa, danças maravilhosas, culturas maravilhosas, muitas coisas lindas que às vezes passam despercebidas pelos nossos olhos no dia a dia”, destaca a jovem. Ainda segundo Vitória, o Brasil e sua população têm um potencial enorme, mas que só com conhecimento é que vai se concretizar.


Na visão de Gabriel, o apreço pela cultura tem se perdido com o tempo, principalmente, nas novas gerações. Com o MentalCast, a equipe poderá, de alguma forma, ascender a chama pela busca não só de conhecer, mas de também entender o país e o mundo em que se vive. Além disso, seria ‘egoísmo’ por parte deles, segundo Gabriel, guardar tanto conhecimento sabendo que todos têm capacidade.

Outro objetivo do podcast é desmistificar a ideia que ser ‘nerd’ é algo ruim, que ter conhecimento, estudar e buscar por informações relevantes é ‘coisa de poucos’. “As pessoas acabam se comparando muito e querendo se encaixar e mudando quem elas são para poder ter ‘amigos’, que nem seriam amigos de verdade. E o nosso podcast quer mostrar que não é errado querer estudar, querer ter conhecimento. Não é errado ser ‘nerd’ […]. Não são essas pessoas que estudam que são estranhas ou diferentes, mas sim essas pessoas que querem mudar quem elas são para agradar os outros. Então, o podcast seria muito bom para dar confiança, porque hoje em dia é muito normal os jovens terem ansiedade, depressão, fobia social, terem transtornos mentais, por causa de comparação”, explica Vitória.

Primeiramente, o MentalCast será disponibilizado apenas em áudio, porém, no futuro, com a possibilidade de monetização pela internet, os estudantes planejam também disponibilizá-lo em vídeo. Mas esse é o futuro. Por enquanto, o foco é compartilhar o conhecimento, do jeito que for.

O MentalCast poderá ser acompanhado pelo canal no YouTube ou pela página no Instagram (@mentalcastt).