Ex-premiê japonês Shinzo Abe morre após ser baleado em comício

O ex-primeiro-ministro japonês Shinzo Abe morreu nesta sexta-feira, 08/07, após ser baleado durante comício na cidade de Nara, perto de Quioto. A notícia foi dada pela NHK, a televisão estatal do Japão, e confirmada pelo hospital.

A polícia japonesa deteve um suspeito do ataque, Tetsuya Yamagami, com cerca de 40 anos. Ele é acusado de homicídio e usou equipamento semelhante a uma arma de fabricação caseira.

Shinzo Abe, de 67 anos, foi primeiro-ministro do Japão entre 2006 e 2007 e, mais tarde, entre 2012 e 2020. Foi o líder japonês com maior longevidade no cargo.

O comício desta sexta-feira ocorria antes das eleições para o Senado japonês, marcadas para domingo (10). Abe discursava em apoio a Kei Sato, um membro da câmara alta do Parlamento que concorre à reeleição como representante da cidade de Nara.

Hospital

Em entrevista, o Hospital Universitário de Nara informou que a morte foi declarada às 17h03 locais, cinco horas depois de ter chegado ao hospital.

De acordo com o médico presente na entrevista, Shinzo Abe “já não tinha sinais vitais” quando chegou ao hospital. Os dois disparos que atingiram o ex-chefe de governo feriram o pescoço, do lado direito, e o peito, do lado esquerdo, chegando ao coração.

O ex-primeiro-ministro sangrou de forma “abundante” e recebeu várias transfusões de sangue para tentar salvar a sua vida, disse o médico.

Manifestações

Emocionado, o atual primeiro-ministro japonês, Fumio Kishida, disse que “não encontra palavras” para reagir após a morte de Shinzo Abe. Kishida foi ministro dos Negócios Estrangeiros de Abe antes de chegar à liderança do governo japonês.

O atentado contra Shinzo Ab é condenado por vários dirigentes mundiais e organizações internacionais. Em Portugal, o presidente Marcelo Rebelo de Sousa afirmou que está “chocado” com o assassinato. O governo português condenou o ataque e destacou que “não há lugar para a violência na política”.

No Twitter, a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, lamentou a morte do ex-chefe de governo. “Morreu uma pessoa maravilhosa, um grande democrata e um defensor da ordem mundial multilateral. Choro com a sua família, amigos e todo o povo japonês”, afirmou.

“Recebo com extrema indignação e pesar a notícia da morte de @AbeShinzo, líder brilhante e que foi um grande amigo do Brasil. Estendo à família de Abe, bem como aos nossos irmãos japoneses, a minha solidariedade e o desejo de que Deus cuide de suas almas neste momento de dor”, disse Bolsonaro na rede social. O presidente brasileiro anunciou, em outra postagem, ter decretado luto oficial no país, em reconhecimento à boa relação entre o político japonês e o Brasil.

(Davos – Suíça, 23/01/2019) Presidente da República, Jair Bolsonaro, durante reunião Bilateral como o então Primeiro-Ministro do Japão, Shinzo Abe. Foto: Alan Santos/PR

“Como sinal de nosso respeito ao povo japonês, de reconhecimento pela amizade de Shinzo Abe com Brasil e de solidariedade diante de uma crueldade injustificável, decretei luto oficial em todo o país durante 3 dias. Que seu assassinato seja punido com rigor. Estamos com o Japão”, twitou o presidente brasileiro.

Em nota, o Ministério das Relações Exteriores informou que recebeu com tristeza e consternação a notícia do falecimento do ex-primeiro-ministro do Japão. “O Brasil condena, nos mais fortes termos, o ataque covarde ao ex-primeiro-ministro e soma-se ao governo e ao povo do Japão no repúdio a todo tipo de violência política, que atenta contra nossos valores compartilhados de defesa da democracia e da paz.” A pasta destacou que Abe trabalhou de maneira incansável pelo aprofundamento da amizade entre Brasil e Japão.

“Durante seu governo, as relações bilaterais elevaram-se para o patamar de parceria estratégica e global, revelando o reconhecimento da importância do relacionamento em todos os seus aspectos: político, econômico, humano. Abe sempre cultivou interlocução com o Brasil no mais alto nível e sua presença na cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos Rio 2016 simbolizou o afeto entre os dois países.”

Em evento realizado nesta sexta-feira, para entrega de espadins aos cadetes da Força Aérea Brasileira (FAB), em Pirassununga (SP), o presidente Jair Bolsonaro pediu toque de silêncio em homenagem ao ex-primeiro ministro japonês Shinzo Abe.

Violência política

No Japão, a violência política é rara e as armas de fogo estão fortemente reguladas. Os assassinatos eram uma característica comum na política interna nos anos que antecederam a Segunda Guerra Mundial, mas tornaram-se quase inexistentes ao longo das últimas sete décadas.

O último assassinato de uma figura política importante ocorreu em 1960, quando um nacionalista extremista esfaqueou e matou o então líder do Partido Socialista do Japão, Inejiro Asanuma. Em nível local, o prefeito de Nagasaki, Kazunaga Ito, foi morto a tiro em 2007 por um integrante de uma gangue.

O país tem as regras mais rigorosas do mundo sobre a compra e o porte de armas de fogo. Em princípio, essas armas não são sequer permitidas no país, mas existem algumas exceções, como as armas usadas na caça.

São várias as etapas até que se consiga comprar e ter porte de arma, desde aulas de segurança, exames escritos, exames médicos, comprovação da saúde física e mental ou verificação de antecedentes.

De acordo com o jornal The New York Times, havia cerca de 192 mil armas de fogo registradas no país em 2020, o mesmo número registrado no estado norte-americano do Alabama, por exemplo.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.