Falta de testemunhas deixa casos em aberto

A Polícia Civil de Bento Gonçalves segue em busca de informações para tentar elucidar casos que ainda desafiam as investigações. Somente na 1ª Delegacia de Polícia (1ª DP), são 10 os casos em que as pistas são escassas ou nulas. Os principais registros são de homicídio, em sua maioria execuções, o que aponta fortes indícios de acerto de contas, principalmente, envolvendo o tráfico de drogas. Apenas um deles é de desaparecimento e continua sem solução.

Uma das mortes que mais comoveram a comunidade bento-gonçalvense e que ainda não teve a investigação concluída foi a de João Bortolini, de 68 anos de idade, ocorrida em 22 de abril de 2012. O agricultor foi vítima de uma bala perdida quando estava na janela da residência da família, que fica na linha Paulina, no distrito de São Valentim.

Segundo relato de familiares, no momento do disparo, o idoso estava sentado, escorado na janela, como sempre fazia. Repentinamente, ele deu um pulo, estendeu o braço e apontou para o mato perguntando o que haviam atirado de lá. Ele chegou a abrir dois botões da camisa e limpar o peito, como se estivesse sujo. Em seguida, deu dois passos e caiu. A esposa de João, Ana Orsatto Bortolini, contou à reportagem do SERRANOSSA, à época, que o idoso estava roxo e não tinha marcas pelo corpo, apenas alguns pequenos respingos de sangue. “Achamos que fosse um infarto e que ele havia se arranhado”, relatou.

Após conseguir carona com um sobrinho, a família levou Bortolini para o hospital, onde o médico diagnosticou que um projétil de arma de fogo havia atingido o coração do agricultor. O caso continua até hoje em aberto e a polícia segue investigando a autoria do crime.

Outra ocorrência que desafia os investigadores é o desaparecimento de Jorgina Maciel de Oliveira, 60 anos. A idosa sumiu da casa onde vivia com a filha e o genro, no bairro Progresso, em Bento Gonçalves, no dia 4 de dezembro de 2014. De acordo com informações dos familiares, buscas em diferentes bairros e em outras cidades foram realizadas, mas Jorgina não foi encontrada. Ainda segundo a família, Jorgina sofre de Alzheimer, tem problemas de visão e diabetes. Quando saiu de casa, estava com uma saia azul e blusa com estampa florida. Ela tem cabelos compridos até a altura dos ombros e grisalhos.

Segundo a delegada titular da 1ª DP, Maria Izabel Zerman, a equipe de investigação da delegacia ainda realiza algumas diligências e coleta depoimentos de possíveis testemunhas. “Em todos os casos, foram realizadas oitivas de testemunhas, análise de câmeras de monitoramento, exame da vida pregressa para possível identificação de desafetos, entretanto, apesar de todos os nossos esforços, não conseguimos identificar os autores”, lamenta a delegada.

Maria Isabel aponta a falta de testemunhas como principal dificuldade da polícia para obter mais informações e encaminhar a solução dos casos. “Ou então, há testemunhas, porém, por temerem represálias, elas constrangem-se a prestar depoimento”, completa.  Qualquer informação que auxilie na elucidação destes crimes pode ser repassada, anonimamente, pelos telefones 197 ou (54) 3452 2500.

Casos insolúveis

João Bortolini – Foi atingido por disparo de arma de fogo no peito quando estava na janela de sua residência, na linha Paulina, distrito de Faria Lemos, em 22/04/2012. Aguarda laudo do Instituto Geral de Perícias para confronto balístico com um rifle que foi apreendido.

José Luís Martins – Desapareceu em 06/05/2013, na rua Tupanciretã, bairro Juventude. Sua morte foi confirmada após a localização de um cadáver no dia 09/05/2013, às margens da BR-470, próximo ao bairro Nossa Senhora da Saúde, com disparos de arma de fogo.

João Manoel da Silva – Apenado do regime semiaberto, foi atingido por diversos disparos de arma de fogo quando saía do Presídio Estadual de Bento Gonçalves, ao adentar em seu veículo. Fato ocorrido em 23/07/2013. Imagens de câmeras de videomonitoramento foram encaminhadas à perícia e a polícia aguarda o resultado.

Aguirres Robson Bolson – Encontrado morto, com ferimentos de faca, no interior de uma residência, localizada na rua Ludovico André Giovanini, bairro Aparecida, em 08/12/2013. Bolson, 25 anos, apresentava um ferimento no lado esquerdo do abdômen e foi encontrado por um amigo que abrigava a vítima nos fundos de sua residência.

Claudemir de Souza Rodrigues – Apenado do regime semiaberto, foi encontrado morto, com disparos de arma de fogo, na avenida São Roque, no bairro Nossa Senhora da Saúde, nas proximidades de uma recicladora, no dia 12/03/2014.

Cláudio Lourenço Sarassua – Desapareceu em 15/03/2014, na rua Caxias do Sul, bairro Glória. Sua morte foi confirmada com a localização de um cadáver em 16/04/2014, em um poço, na linha Alcântara, interior de Bento Gonçalves.

Silvio de Jesus – Encontrado morto, com disparos de arma de fogo, na linha Veríssimo de Matos, interior de Bento Gonçalves, no dia 20/03/2014. Um veículo não identificado teria deixado o corpo no local.

Idalina de Jesus – Moradora do bairro Zatt, de 42 anos de idade, foi morta após ser atingida por vários disparos de arma de fogo na rua Sérgio Rodrigues dos Santos em 24/06/2014. Seu filho, Silvio de Jesus, havia sido morto, também a tiros três meses antes.

Noemir Antônio Ribeiro Leitão – Foi encontrado morto, com um disparo de arma de fogo, na porta de seu apartamento, localizado no Residencial Novo Futuro, na rua Bramante Mion, bairro Ouro Verde, em 27/10/2014.

Jorgina Maciel de Oliveira – Desapareceu em 04/12/2014, na rua Vitorino Afedatto, bairro Progresso. Possui 60 anos e sofre de mal de Alzheimer. Trajava saia comprida de cor azul e blusa florida.

Reportagem: Jonathan Zanotto

É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Siga o SERRANOSSA!

Twitter: @SERRANOSSA

Facebook: Grupo SERRANOSSA

O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.