Fidelidade a mim e aos outros

Quero conversar com você sobre fidelidade. Fidelidade a mim e fidelidade às outras pessoas. O que é mais importante? Fidelidade a mim ou ao outro? Provavelmente as duas coisas não se excluem. As duas são importantes. Eu devo seu fiel a mim mesmo, não posso deformar-me, mas viver em consonância interior, segundo aquilo que é o meu ser. Se a fidelidade a outra pessoa for destruir a fidelidade a mim, eu não consigo manter essa fidelidade ao outro. Fidelidade a outra pessoa significa: você pode confiar em mim, estou ao seu lado assim como você é. Fidelidade ao outro não significa que eu me deixe arrastar por ela para o mal. Eu sou fiel à pessoa, mas não deixo levar pelo mal. Estou a seu lado, não deixarei que caia se descobrir em você algo que não me agrada.

Algumas pessoas acham que não posso prometer fidelidade porque eu mesmo mudo continuamente, porque a outra pessoa também muda. Fidelidade é de fato a promessa de permanecer fiel a mim e à outra pessoa, apesar das transformações que ocorrem em mim e que ocorrem nela. Digo sim à uma pessoa, a qual não sei em que direção ela vai mudar. Neste sentido a fidelidade é um risco e um desafio. Mas nesse desafio está o desejo de resumir minha vida numa palavra: SIM. É a única palavra na qual pode confiar a outra pessoa e eu também.

A fidelidade é uma atitude, uma virtude. Para os cristãos, a fidelidade de Deus para conosco é uma razão por que nós não podemos ousar também ser fiéis. Por trás está a certeza de que Deus permanece fiel, mesmo quando somos infiéis a nós mesmos. Sua fidelidade permite sempre mudança de rumo e regresso. A sabedoria bíblica diz: amigo fiel é refúgio seguro, quem o encontra, encontra um tesouro. Amigo fiel não tem preço. Não há medida para seu valor. Amigo fiel é um elixir de longa vida. Os quem temem o Senhor, o encontrarão. Pensemos nisso e sejamos fiéis, conosco e com os outros.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.