Horta comunitária deverá beneficiar famílias de baixa renda em Bento

A iniciativa das hortas comunitárias tem se tornado popular em diversos países nos últimos anos. Os objetivos vão desde engajar a comunidade no voluntariado, oferecer um espaço para plantio de produtos orgânicos, diante do grande número de edifícios e, ainda, oportunizar uma alimentação saudável a famílias de baixa renda. Em Bento Gonçalves, a comunidade passou a contar com uma horta comunitária em maio deste ano. O espaço de 10m de largura x 15m de comprimento localizado na Praça CEU, no bairro Ouro Verde, hoje conta com 800 mudas de hortaliças e temperos, as quais foram plantadas há cerca de 15 dias e deverão ser colhidas pela primeira vez em agosto.


 

A ideia de implantar uma horta no espaço foi inspirada em outras Praças CEUs existentes no país que já aderiram à iniciativa. Desde então, a equipe da Praça CEU de Bento tem contado com o apoio da comunidade para dar forma ao projeto. A organização dos canteiros e a doação da terra foram feitas por uma empresa de terraplanagem alocada no bairro Ouro Verde. Já os pallets utilizados para o cercamento do espaço foram doados por um vizinho que atua em uma empresa do ramo. “Já estávamos atrás de doações de pallets porque o valor para o cercamento havia ficado muito elevado. Foi então que esse vizinho passou por aqui e perguntou se a gente precisava do material”, recorda o coordenador da Praça CEU, Clóvis Prates. 


 

Até mesmo as mudas foram entregues à equipe da praça de forma gratuita. “Eu fui até um espaço onde vendem mudas e descobri que algumas delas, as sobras, eram descartadas. Com isso, conseguimos uma parceria com o local para que nos doassem as mudas que sobrassem na semana”, conta Prates. 

Com isso foram plantadas mudas de alface, chicória, radicci, couve e diversos temperos. 

Como deverá funcionar a horta

O coordenador da Praça CEU afirma que o espaço ainda está em fase de testes, mas que deverá render bons resultados. “Queremos observar o crescimento dela. A cada quantos dias poderemos colher e quantos pés, para depois começar a estruturar a logística de distribuição”, revela Clóvis Prates. 

A ideia é distribuir os alimentos colhidos à comunidade, especialmente às famílias de baixa renda. Para tanto deverá ser firmada uma parceria com o CRAS I, localizado na Praça CEU, a fim de indicar as famílias com mais necessidade de recebimento. Também deverão ser contempladas as famílias das crianças e adolescentes dos serviços de convivência de Bento. “Outra ideia que levantamos é convidar essas crianças e adolescentes para nos ajudar na horta, ver como funciona o plantio”, adianta o coordenador. “Outro dia tinha um grupo de crianças aqui e eu percebi a curiosidade deles. Entramos na horta e comecei a mostrar as mudas. Assim se cria uma amizade com as crianças”, continua. 


 

Ainda, a Horta Comunitária da Praça CEU deverá contar com a parceria de uma nutricionista, que irá auxiliar a população com orientações acerca de importância dos alimentos in natura para a saúde. Além disso, serão realizadas palestras com engenheiros ambientais e outros nutricionistas com orientações relevantes sobre a horta e a saúde da população de forma geral. “É um projeto diário. Vamos evoluindo conforme os resultados obtidos”, afirma Prates.

Praça CEU completa três anos

A Praça CEU em Bento Gonçalves completou três anos no último dia 06/07, quando foi oficialmente inaugurada em 2018. Além da Horta Comunitária, o espaço abriga o Cadastro Único de Bento, o CRAS I (que tem mais de 4 mil famílias cadastradas), biblioteca, telecentro (que possibilita acesso gratuito à internet e a computadores), auditório, quadra de futebol, pista de skate, academia ao ar livre e parquinho. “No início algumas pessoas se sentiam inseguras em frequentar o espaço por causa de alguns vândalos que rodeavam o local. Com o tempo, fomos chegando e explicando o objetivo da Praça, um espaço para as crianças e adolescentes aprenderem e brincarem”, comenta o coordenador Clóvis Prates. 


 

Atualmente o espaço é visto como um ambiente alegre e acolhedor, utilizado para esportes, lazer e, ainda, para atividades culturais e artísticas. Além dos espaços que podem ser utilizados de forma gratuita durante o horário de funcionamento da Praça, o local conta com diversas oficinas, as quais precisaram ser suspensas por conta da pandemia. Entretanto, a expectativa é retornar com as aulas em breve. “Na quadra vamos passar a receber um professor da Sedes [secretaria de Esportes e Desenvolvimento Social] sempre às quartas-feiras, para ministrar oficinas de futebol de salão”, adianta. Também estão programadas oficinas de judô, biodança, crochê, artesanato, violão e desenho, por exemplo. Em agosto terá início uma oficina sobre “A História da Arte” e, em novembro e dezembro, eventos como Livro na Praça e Cinema de Rua. 


 

Além das crianças e adolescentes, o espaço é voltado para atividades de saúde e lazer à terceira idade. Todas as quartas-feiras, são disponibilizadas aulas de ginástica para idosos. “Estamos sempre buscando melhorar, trazer a comunidade para perto, fazer as pessoas entenderem que esse espaço é delas. E o objetivo está sendo cumprido”, finaliza o coordenador. 

Fotos: Eduarda Bucco
 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.