Juvenal Cortiças comemora uma década com festa

Na arte da elaboração do vinho, a rolha pode ser considerada o toque final, já que ela é responsável pela vedação da garrafa e assegura a sua qualidade e evolução até o momento do consumo. Essa essencial contribuição ao setor vinícola brasileiro é conferida há dez anos com maior proximidade pelo grupo português Juvenal Cortiças, que está entre os cinco maiores fabricantes mundiais de rolhas, graças à instalação de filial localizada na RSC 470 – km 222, entre Bento Gonçalves e Garibaldi. Para comemorar os dez anos de atuação no país, a empresa recepcionou clientes, fornecedores e amigos em jantar comemorativo na noite de quinta-feira, dia 1º de dezembro. O evento, realizado em Bento Gonçalves, junto à Churrascaria Ipiranga, contou com a presença do presidente do grupo português, Henrique Ribeiro.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Enologia (ABE), Christian Bernardi, a capacidade de se adequar às peculiaridades do mercado nacional é o diferencial que motivou o crescimento da multinacional. “Nestes dez anos a Juvenal mostrou competência não apenas no fornecimento de rolhas de qualidade, mas também no suporte técnico que presta para as vinícolas de acordo com as necessidades individuais de cada produto”, destaca.

Presidente do grupo, o português Henrique Ribeiro considera que o vinho brasileiro vem demonstrando, ao longo dos anos, uma evolução de qualidade acima da média em relação ao mercado internacional. “Trabalhamos em parceria com os produtores adaptando nossa cortiça ao vinho que eles elaboram. Estamos contribuindo e crescendo junto com o produto do Brasil”, orgulha-se. 

Para produtores e profissionais do setor, a Juvenal Cortiças tem motivos de sobra para festejar a primeira década de atuação no mercado nacional. Enólogo e proprietário da Vinícola Pedrucci, Gilberto Pedrucci trabalha com foco na elaboração de espumantes através do método de fermentação tradicional (método Champenoise), que demanda atenção especial na escolha das rolhas por ser uma produção reduzida e de alto valor agregado. “Uma rolha inadequada pode acabar com um trabalho de no mínimo dois anos. Sou cliente da Juvenal há nove, compro em pequenas quantidades e nunca tive nenhum problema com o meu produto”, relata.

Já de acordo com o enólogo da vinícola Dall Pizzol, Dirceu Scottá, o grande mérito da Juvenal nesta década de atuação no Brasil se deve à incansável busca por uma rolha de qualidade. “Eles estão sempre preocupados em melhorar, dão suporte técnico e ajudam na rotina da nossa vinícola dando ideias e participando do processo de criação e viabilidade de novos produtos”, comenta.

 

Siga o SerraNossa!

Twitter: http://www.twitter.com/serranossa

Facebook: Grupo SerraNossa

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.