Laudo aponta que ponte pênsil entre RS e SC rompeu por corrosão

Além disso, o laudo também indica que manutenção adequada poderia ter identificado o problema

Foto: Governo RS

Um laudo técnico encomendado pelo Instituto-Geral de Perícias (IGP) aponta que a corrosão nos cabos que sustentavam a ponte pênsil que liga as cidades de Torres, no Rio Grande do Sul e Passo de Torres, em Santa Catarina, foi determinante para a queda da estrutura, que aconteceu em 20/02.

No acidente, Brian Grandi, de 20 anos, que estava sobre a ponte quando os cabos romperam, morreu após cair no Rio Mampituba. O corpo do jovem foi encontrado quatro dias depois da queda, no mar, em Santa Catarina.


O laudo, realizado pelo Laboratório de Processos Eletroquímicos e Corrosão (Eletrocorr) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), também diz que há “indícios de que não houve manutenção nem inspeção visual adequadas”.

“Uma inspeção mais detalhada teria revelado o estado de oxidação antes do dano catastrófico”, diz o laudo.

Sobre o laudo, a Polícia Civil catarinense disse que ainda analisa a documentação e que não tem prazo para concluir a investigação. Além disso, o inquérito não define de quem é a responsabilidade pela manutenção da ponte, se a prefeitura de Torres ou de Passo de Torres.

Fonte: G1/RS