Mãe e três filhas são encontradas mortas dentro de casa; suspeito do crime foi preso

Segundo a polícia, as quatro vítimas foram encontradas degoladas e com sinais de abuso sexual; três delas estavam nuas; o suspeito da chacina foi preso na manhã de segunda, 27/11

Foto: Redes sociais

Uma mãe e três filhas foram encontradas mortas dentro de uma casa, no Bairro Florais da Mata, em Sorriso, a 420 km de Cuiabá, na segunda-feira, 27/11. As vítimas, segundo a Polícia Civil, foram identificadas como Cleci Calvi Cardoso, de 46 anos, Miliane Calvi Cardoso, de 19 anos, Manuela Calvi Cardoso, 13 anos, e Melissa Calvi Cardoso, de 10 anos.

Segundo a polícia, as quatro vítimas foram encontradas degoladas e com sinais de abuso sexual. Três delas estavam nuas. O suspeito da chacina foi preso na manhã de segunda e encaminhado para à delegacia de Sinop. Ele seria o funcionário de uma obra que fica ao lado da casa das vítimas.


O delegado que acompanha o caso, Bruno França Ferreira, disse que o suspeito ainda levou algumas roupas íntimas das vítimas após o crime. O sargento Thalmir Ferreira, porta-voz do Corpo de Bombeiros, informou que a Polícia Militar foi acionada pelos vizinhos após notarem a ausência da família no final de semana.

“Várias das vítimas tinham perfurações de faca. Com certeza, tentaram se defender. Quando estávamos procurando o acesso para entrar na casa, estávamos pensando em arrombar a porta principal, mas uma janela já estava arrombada”, disse.

O bombeiro também contou que a mãe e a filha mais velha foram encontradas mortas no corredor do imóvel. As outras filhas, de 13 e 10 anos, em um dos quartos.

Prisão

Gilberto Rodrigues dos Anjos, de 32 anos, foi preso na segunda-feira, 27/11. Segundo a Polícia Civil, o suspeito confessou o crime. Ele tem histórico de violência doméstica e foi encaminhado à delegacia de Sorriso, onde será ouvido. Ainda não foi informado se o homem tem algum vínculo com as vítimas.

De acordo com a polícia, uma ‘pegada’ deixada pelo criminoso na cena do crime ajudou a identificá-lo. As marcas do chinelo de Gilberto haviam ficado no piso manchado de sangue da residência, e uma comparação entre os sinais e o calçado feita pelos policiais confirmou ser ele o autor do crime.


Fonte: g1 MT e O Globo