MPT-RS assina protocolo para capacitar rede de acolhimento a resgatados de situações análogas à escravidão

Compromisso firmado pelo órgão com secretarias municipais e estaduais prevê realização de uma primeira etapa de capacitação em sete municípios gaúchos

Secretária Estadual Regina Becker e o procurador Lucas Santos Fernandes assinam protocolo no CAFF. Foto: Divulgação

O Ministério Público do Trabalho no Rio Grande do Sul (MPT-RS) participou, na manhã de sexta-feira, 28/01, da assinatura de protocolos para a realização de Seminário para a capacitação técnica da rede de assistência dos municípios para o acolhimento a trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão. O órgão foi representado na assinatura pelo procurador do MPT-RS Lucas Santos Fernandes, coordenador regional da Coordenadoria Nacional de Erradicação do Trabalho Escravo e Enfrentamento ao Tráfico de Pessoas (CONAETE).

A primeira etapa do projeto estratégico de capacitação da rede de atendimento nos municípios gaúchos será realizada em Porto Alegre e envolve a rede de assistência de sete cidades: Porto Alegre, Caxias do Sul, Novo Hamburgo, Passo Fundo, Pelotas, Vacaria e Venâncio Aires.

A escolha dos municípios participantes desta primeira etapa foi feita com base em múltiplos fatores: seja por alguns terem registrado resgates de trabalhadores em situação análoga à escravidão nos últimos cinco anos;  por serem um polo regional de afluxo de migrantes ou por terem posição de destaque em determinadas regiões devido às atividades econômicas.

Os protocolos para a realização da capacitação foram assinados com Léo Voigt, Secretário de Desenvolvimento Social do município de Porto Alegre, que sediará o evento; com Regina Becker, Secretária Estadual da Igualdade, Cidadania, Direitos Humanos e Assistência Social; e com Mauro Hauschild, Secretário Estadual de Justiça e Sistemas Penal e Socioeducativo.

Os protocolos foram assinados no Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo, celebrado neste 28/01. A data, criada em 2009, lembra três auditores-fiscais do Trabalho assassinados em 2004 durante inspeção para apurar denúncias de trabalho escravo em fazendas da região de Unaí (MG).

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.