Mulher é condenada a 27 anos de prisão por matar filho recém-nascido e esconder corpo em lixeira

Crime ocorreu em Tramandaí, em 2017

Foto: BM/Divulgação

O Tribunal do Júri condenou, nesta sexta-feira, 02/06, a 27 anos de prisão, em regime fechado, a mulher acusada de matar o filho recém-nascido por asfixia e esconder o corpo do bebê em uma lixeira, em Tramandaí, em 2017.

Segundo o Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS), responsável pela denúncia, a mulher teria escondido a gravidez e realizado o parto no banheiro de casa.


A mulher foi condenada a 24 anos de prisão pelo crime de homicídio qualificado, com motivo torpe, meio cruel e recurso que dificultou a defesa da vítima, além de três anos por ocultação de cadáver.

O crime

Em junho de 2017, catadores encontraram o recém-nascido morto junto com restos de placenta, em uma sacola plástica, dentro de uma lixeira.

Após uma necropsia, foi confirmado que o bebê, de sexo masculino, nasceu com vida e foi morto por asfixia. A mãe teria colocado uma bucha de papel na boca do filho, rompendo as vias aéreas da criança.

Em 11 de junho de 2017, ao entrar em trabalho de parto, a acusada foi até o banheiro da residência onde morava com o companheiro e os sogros e deu à luz ao bebê.

De acordo com a denúncia, após matar a vítima, ela colocou o bebê e a placenta em uma sacola plástica. No dia seguinte, a mulher ocultou o cadáver do filho, deixando a criança em uma lixeira.