O barato que sai caro

Alguém já deve ter batido na sua porta vendendo produtos de limpeza. O preço bem mais em conta do que aquele praticado pelo supermercado pode até ser atrativo. Porém, os prejuízos podem ser maiores do que a quantia economizada. Estes produtos são chamados de clandestinos ou piratas.

Detergente líquido, água sanitária e desinfetantes, também conhecidos como saneantes, são mais comumente oferecidos nestas vendas de porta em porta. Eles podem oferecer graves riscos à saúde, conforme alerta a assessora técnica do setor de Vigilância Sanitária da Secretara Municipal de Saúde, Fabiana Eckhardt. “Os problemas variam desde queimaduras, a problemas respiratórios devido ao excesso de cloro, irritação de olhos, nariz e boca e, em casos mais graves, até uma intoxicação”, esclarece.

De olho no rótulo

Os chamados produtos clandestinos são aqueles que não têm autorização no Ministério da Saúde. “É fácil identificar, é só olhar para o rótulo”, orienta Fabiana. As informações que devem estar impressas incluem nome da empresa, CNPJ, responsável técnico pela fabricação e registro do produto. “O número de registro começa com 3 e contém 13 algarismos”, detalha. Em Bento Gonçalves não há nenhuma indústria de produtos saneantes fiscalizada pelo município, porém existem indústrias fiscalizadas pelo Estado e autorizadas a funcionar.

Carina Furlanetto


Siga o SerraNossa!

Twitter: http://www.twitter.com/serranossa

Facebook: Jornal SerraNossa

Orkut: http://www.orkut.com.br

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.