Olheiras: susto ao acordar!

Quem nunca reclamou de um dia ter acordado, olhado no espelho e se deparado com aquelas manchas escuras e profundas conhecidas como olheiras? Pois é, muitas vezes associamos este quadro a uma noite mal dormida ou até mesmo à exaustão, mas são inúmeras as possibilidades de desenvolvê-las. A mais comum delas é a genética.

É verdade que o cansaço, o estresse, a falta de sono são alguns dos fatores que podem agravar as olheiras, mas se você já tem predisposição genética, este pode ser o principal fator. Por isso, é importante sempre avaliar qual é o tipo que a pessoa tem e somente depois escolher o melhor tratamento.

São diversos os tipos de olheiras observados, podendo ser: pigmentares, devido ao acúmulo de melanina na pele, o que promove uma coloração amarronzada, sendo comum em peles morenas e negras; as vasculares, causadas pelo aumento da vascularização ou congestão dos vasos no local, conhecida como a “olheira do cansaço” deixando algumas vezes a região com edema (inchaço), esse tipo é caracterizado por uma coloração mais azulada ou avermelhada devido à deposição sanguínea. Temos ainda a olheira estrutural, a qual está associada à anatomia óssea da face, definida pelo o que chamamos de olhos fundos, gerando uma sombra na região periocular e escurecendo o local; e, ainda, as olheiras mistas, que englobam mais de um tipo associado. 

Além dos fatores já mencionados, outros podem agravar este quadro, como a exposição solar, mais frequente no verão. Hábitos tóxicos como o tabagismo e o excesso de bebidas alcoólicas também podem favorecer o escurecimento da região devido a uma alteração na circulação. 

Como elas podem surgir tanto em homens como em mulheres e em todos os tipos de pele, é importante tomarmos alguns cuidados para preveni-las, para que nossa aparência não entregue a nossa rotina no dia a dia. Entre eles uma boa noite de sono, uma pele hidratada, o uso do home care são algumas das possibilidades para suavizá-las. E para as profundas existe a possibilidade do preenchimento com ácido hialurônico, mas, para isso, é essencial a escolha de um profissional habilitado e que domine a técnica.

Apoio:

 

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.