Petroli e Dentinho pedem que prefeito vete emendas que podem afetar usuários de ônibus

Os vereadores Agostinho Petroli (MDB) e Rafael Fantin (PSD), o Dentinho, apresentaram nesta sexta-feira, 08/10, um ofício dirigido ao prefeito Diogo Segabinazzi Siqueira, onde solicitam o veto a dez emendas aprovadas pela Câmara de Vereadores na segunda-feira, dia 4. O projeto será base para a realização de uma nova licitação para a concessão do transporte público na cidade, encerrando uma situação precária que se arrasta há pelo menos duas décadas. Apesar de considerarem que o projeto representa um avanço ao sistema atual, os vereadores apontam que há correções necessárias a fazer.

“Entendemos que o projeto representa um importante passo para resolver um problema histórico da cidade e qualificar a prestação desse serviço que é tão importante para a população, principalmente para aquela camada que mais necessita do Poder Público. Por isso, não podemos concordar com emendas que prejudicam o usuário final do sistema”, ponderou Dentinho.

A decisão de encaminhar em conjunto o ofício surgiu depois que os dois parlamentares se insurgiram contra a forma de votação das 27 emendas apresentadas, realizada em bloco – ação que, segndo eles, não está prevista no regimento interno da Casa para a votação de emendas. 


 

A manobra da bancada da situação impedidiu o debate e a votação em separado de cada uma das emendas.  Por essa razão, tanto Petroli como Dentinho, que chegou a pedir o voto em destaque de seis emendas, votaram contra a determinação

“Votar emenda por emenda possibilita uma discussão mais apurada, mais correta, um debate mais aprofundado sobre cada ponto, o que permitiria ao vereador conhecer e debater todos os aspectos da proposição, compreendendo o que está votando e identificar pontos em que as mudanças propostas beneficiam a concessionária ao invés do usuário”, avalia Petroli.

Durante a votação, enquanto o emedebista rejeitou todas as emendas em represália à votação em bloco, Dentinho preferiu pedir destaque para a votação em separado de seis emendas que considera as mais prejudiciais aos usuários do transporte coletivo e manifestou seu voto desfavorável a elas.

Em plenário, Dentinho e Petroli apresentaram questionamentos em relação a 17 das 27 apresentadas. Duas delas foram retiradas pela base governista: uma que pretendia ampliar de 10 para 15 anos o prazo de concessão e outra que queria retirar o limite de 25% para uma eventual redução da frota e a exigência de autorização do Poder Público, emendas veementemente atacadas pelos vereadores.

Além dessas, os edis destacam que outras emendas aprovadas pela maioria prejudicam o usuário final. Por isso, elencaram dez emendas em que solicitam o veto do prefeito, que precisa ser decidido até 15 dias após a aprovação da lei. Entre as emendas indicadas pelos vereadores, estão o artigo que limita a mobilidade dos estudantes ao deslocamento para a instituição de ensino; a intenção de proibir ao usuário transportar de maneira remunerada qualquer mercadoria, sob pena de retirada do veículo; e o estabelecimento de que as baldeações realizadas no período de uma hora terão custo de 50% da passagem, o que na prática acaba com a possibilidade de integração das tarifas definidas por um decreto municipal desde 2011, mas que ainda não foi regulamentada e por isso nunca foi colocada em prática.

Para Dentinho, é impossível deixar de se contrapor a decisões que, na prática, prejudicam quem precisa do transporte. “No caso dos estudantes, a intenção de limitar o uso do desconto ao deslocamento da casa do estudante para a instituição de ensino não leva em conta outras práticas ligadas à educação, como a realização de tarefas e outras atividades fora do horário e do recinto escolar e outras atividades no contraturno”, exemplifica.

Os dois vereadores destacaram como um dos principais retrocessos estabelecidos por emenda a definição de que haverá um custo de 50% do valor integral da passagem para quem precisa realizar duas viagens no período de uma hora, o que contraria uma legislação de 2011 que estabelece a integração das tarifas, o que pressupõe a gratuidade da segunda passagem nas baldeações. Petroli é incisivo para refutar a medida: “A emenda prevê o pagamento de 50% da tarifa em viagens integradas, quando temos lei municipal em vigor sobre isso, que não prevê o acréscimo no valor da passagem, desde que seja em determinado tempo”, ressalva o vereador.

Além de solicitar o veto do prefeito à emenda, os vereadores reiteraram apoio à regulamentação da legislação da tarifa integrada, uma solicitação de décadas dos usuários do transporte. Para os vereadores, é inadmissível que alguns vereadores da situação pretendam prejudicar os usuários do transporte coletivo, alterando, no entendimento deles, para pior, um projeto de autoria do próprio governo que representam.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.