PF indicia Torres por criação ilegal de aves e falsidade ideológica

Ex-ministro de Bolsonaro e ex-secretário de Segurança Pública do DF, Anderson Torres teve as aves apreendidas em casa pelo Ibama

Foto: Tom Costa/MJSP

A Polícia Federal (PF) indiciou o ex-ministro da Justiça de Jair Bolsonaro e ex-secretário de Segurança Pública do Distrito Federal, Anderson Torres, por criação e posse ilegal de aves silvestres na casa dele; maus-tratos; falsificação de selos; e falsidade ideológica.

Os animais foram encontrados pela PF na casa de Torres, em Brasília, durante operação realizada em fevereiro deste ano. Em abril, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e o Instituto Brasília Ambiental (Ibram) apreenderam 55 pássaros na casa do ex-ministro.


Anderson Torres foi autuado em R$ 52,5 mil, por prestar informação falsa em sistema de controle, e em R$ 2 mil, por mutilar pássaros da espécie bicudo. A acusação de falsidade ideológica se deu porque, segundo investigações da PF, Torres teria transferido reservatórios de pássaros de órgãos ambientais para o nome da mãe dele.

Por meio de nota, a defesa do ex-ministro afirmou ter recebido “com surpresa a notícia do indiciamento por maus-tratos pela Polícia Federal, no inquérito das aves”.