Prefeito e vice de Garibaldi são cassados pelo TRE

Presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Armínio José Abreu Lima da Rosa, além de cassar a chapa vencedora das eleições do ano passado, ainda tornou prefeito Alex Carniel inelegível por 8 anos. Cidade pode ter novas eleições. Da decisão, no entanto, cabe recurso.

“Gravíssimas”. Foi assim que o presidente do Tribunal Regional Eleitoral (TRE), Armínio José Abreu Lima da Rosa, classificou as acusações contra a chapa eleita das eleições municipais de Garibaldi, formada pelo prefeito Alex Carniel (PP) e vice Sérgio Chesini (PP). Além de decidir pela perda dos cargos eletivos, a decisão inclui que Carniel fique inelegível por oito anos e que novas eleições sejam convocadas na cidade.  A decisão, no entanto, não é definitiva, pois cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que pode ou não confirmar a cassação.

O voto do presidente desempatou a decisão dos desembargadores. O relator Sílvio Ronaldo Santos de Moraes havia julgado as denúncias improcedentes, decisão semelhante à adotada pela Justiça de Garibaldi. No entanto, na sessão do dia 09/11 ocorreu pedido de voto-vista do desembargador Luís Alberto Aurvalle. Na retomada do processo, no último dia 16/11, este votou pela cassação. A votação seguiu até o empate de 3 a 3. Com a votação empatada, o presidente do TRE, Armínio José Abreu Lima da Rosa, pediu vista e novamente o processo ficou em aberto e sua retomada para avaliação ocorreu nesta terça-feira, 23/11, quando ele decidiu pela cassação do prefeito e vice, inelegibilidade de Alex Carniel por oito anos e novas eleições.

O principal ponto ressaltado pelo presidente do TRE, que foi destaque nos pareceres assinados pelo procurador regional eleitoral Fábio Nesi Venzon, foi a colocação de equipamento de rastreamento e captação de áudio por parte dos investigados em veículos de Antonio Cettolin (MDB), que era prefeito de Garibaldi e apoiava a candidatura Antonio Fachinelli e Eldo Milani; bem como do então chefe de gabinete, Micael Carissimi, representante da coligação.

 “Se normalizarmos um fato grave como este, de instalação de um rastreador, o que virá para nós amanhã?”, questionou Armínio.

Um dos pareceres juntados pela procuradoria relaciona elementos coletados ainda durante investigação policial e, conforme aponta o procurador, comprovaram que o carro utilizado para instalar um dos rastreadores — um Chevrolet Spin — pertencia à empresa Transportes Biano, de propriedade do prefeito investigado, Carniel, que foi apontado como mentor das fraudes praticadas por meio do monitoramento eletrônico de seus adversários políticos.

O SERRANOSSA aguarda posicionamento de Alex Carniel e Sérgio Chesini e de sua defesa.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.