PRF: antes de fiscalizar, é preciso melhorar

A infraestrutura deficitária e a sinalização em muitos casos inexistente, insuficiente ou encoberta chamaram atenção dos agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF) na primeira semana de atividades na BR-470, rodovia que corta Bento Gonçalves e que teve 238 quilômetros – entre Lagoa Vermelha e Camaquã – devolvidos ao governo federal recentemente. Melhorias nas condições de trafegabilidade devem ser o ponto de partida para que as ações de fiscalização sejam postas em prática da forma como a corporação deseja: com rigor máximo. 

“A decisão de federalizar esse trecho da rodovia foi política, não técnica. De qualquer forma, é nosso dever fiscalizar e vamos fazer isso. Temos percorrido a BR-470 e percebemos carências na infraestrutura e uma sinalização precária. Em muitos locais, a sinalização até existe, mas está encoberta por mato. Também há problemas na sinalização horizontal. Não temos como aplicar rigor máximo na fiscalização sem que isso seja feito e estamos verificando quem pode se responsabilizar por essas melhorias”, diz o chefe da 5ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal, com sede em Caxias do Sul, Alfonso Willembring Jr.

Uma das primeiras atuações da PRF em Bento é a chamada “Operação Vinhedos”, que teve início na última segunda-feira, dia 27, e marcou oficialmente a instalação do posto no município – policiais vinham atuando através de rondas de 12h desde a metade do mês de abril, mas ainda não havia uma sede fixa na cidade. Através de fiscalizações de rotina, viaturas da PRF estão circulando ao longo da BR-470, no trecho recém-federalizado (que corta Bento e serve de ligação com outras cidades da região, como Carlos Barbosa, Garibaldi, Nova Prata e Veranópolis).

De acordo com Willembring, infrações como trafegar com velocidade acima do limite permitido e excesso de peso em cargas receberão atenção especial. “Nestes primeiros dias, a utilização de radar móvel na fiscalização já se mostrou necessária e será feita. Isso vai ajudar, inclusive, a minimizar as consequências da retirada das lombadas eletrônicas, que foi alvo de críticas e protestos por parte da comunidade”, ressalta. Ele também garante rigidez no controle do peso de caminhões. “Temos profissionais experientes e treinados que sabem detectar peso excessivo de cargas sem a necessidade de equipamentos de pesagem. E a experiência deles inclui perceber manobras para burlar a lei de todos os tipos”, avisa.

Com o passar do tempo, a ideia é monitorar pontos estratégicos. “Tudo ainda é bastante novo, a PRF nunca havia trabalhado na região. Gradativamente vamos perceber as necessidades e os pontos que demandam maior atenção e criar ações”, informa o chefe, reiterando que a “choradeira” natural, típica da região, não terá vez: “normas são feitas para serem cumpridas e serão cumpridas com rigor”, alerta.

Efetivo

Os policiais que atuarão no posto da PRF em Bento Gonçalves foram realocados de outras cidades e cumprirão períodos de 30 dias de serviço no município. De acordo com o chefe da 5ª Delegacia da PRF, o pedido por reforço já foi feito. “Não tínhamos um efetivo necessário na regional do Rio Grande do Sul para destinar a esta área, que para nós é completamente nova, e tivemos que solicitar ao Departamento da PRF em Brasília, que está enviando reforços de diversas partes do país. Temos pessoas daqui – de Bento, Nova Prata e Veranópolis – que naturalmente estão sendo deslocados para cá porque conhecem a peculiaridade local”, esclarece Willembring.

Ainda não há um número exato de policiais que atuarão na região de Bento Gonçalves, mas a ideia é chegar a um efetivo de 14 a 16 servidores em um prazo de seis a sete meses.

Instalações

Os policiais rodoviários federais ocuparão uma das salas do prédio que abriga o Grupo Rodoviário de Bento Gonçalves, vinculado à Polícia Rodoviária Estadual, no quilômetro 217 da BR-470. A divisão do espaço não é empecilho, de acordo com Willembring. “Temos disponibilidade e disposição para trabalhar. Dividiremos o espaço sem problemas, pelo contrário: será uma oportunidade para mostrar para o restante do país como pode ser positivo o trabalho integrado de duas instituições de segurança”, garante.

Ele também confirmou que o Grupo Rodoviário de Veranópolis será transferido para Nova Bassano e que a PRF assumirá o posto, com efetivo estimado de 10 a 12 policiais.

Delegacia da PRF

Embora até o momento só tenha sido confirmado o posto, o chefe da 5ª Delegacia da PRF acredita que Bento Gonçalves tenha condições de receber uma delegacia. “A cidade é sede de um dos três batalhões rodoviários do Estado e tem potencial e força política para ser sede também de uma delegacia da PRF em breve”, opina.

Reportagem: Greice Scotton

É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Siga o SERRANOSSA!

Twitter: @SERRANOSSA

Facebook: Grupo SERRANOSSA

O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.