Profissionais da saúde comentam sobre ações de prevenção ao suicídio realizadas em Bento

O Setembro Amarelo é dedicado à prevenção e conscientização contra o suicídio e, em Bento Gonçalves, esse mês foi marcado pelo reforço das ações voltadas para questões referente à saúde mental. Conforme a prefeitura de Bento, foram realizadas ações educativas em sala de espera; murais informativos com reflexões; e educação permanente e capacitações para as equipes profissionais. Atualmente o município realiza, em média, 685 atendimentos semanais voltados a questões psicológicas, através do Serviço de Atendimento Psicossocial (CAPS).

“A sala de espera (onde os pacientes aguardam consulta), tem todos os dias um profissional do Caps orientando os pacientes sobre prevenção ao suicídio, quais os sinais de alerta e onde buscar ajuda em caso de emergência”, comenta a médica Assistente do CAPS II, Graciela Sant’Anna Perleberg.


Foto: Divulgação
 

Ao longo deste mês de setembro, a equipe de profissionais recebeu treinamentos feito pela enfermeira Silvana Coscia, que realizou um trabalho relacionado à prevenção ao suicídio. Graciela destaca ainda sobre os trabalhos desenvolvidos pelos profissionais: “Os profissionais buscam atuar de forma integral, intersetorial e interdisciplinar, realizando, além de consultas, discussão de casos em equipe, acompanhamento na rede, visitas domiciliares, busca ativa de pessoas em sofrimento psíquico grave e intervenções durante situações de crise e emergências”.

A psicóloga Francele Dimer Magnus, que atua no CAPS II e no Núcleo Ampliado de Saúde da Família e Atenção Básica (NASF), salienta sobre a necessidade e importância de um profissional capacitado fazer o acompanhamento de pessoas que estejam passando por problemas psicológicos: “Quando se trata de atenção a pessoas com risco de suicídio, a questão não é entre viver ou morrer, mas em oferecer outras possibilidades de vida. Por isso, a avaliação do profissional é importante para, em entendendo as peculiaridades da situação, oferecer o melhor acolhimento, seja o cuidado continuado na sua unidade de saúde, no CAPS ou, em casos específicos, em ambiente hospitalar”.

O coordenador de Saúde Mental do município, Maurice Bouwary reforça sobre o amparo social e psicológico que os serviços públicos oferecem a quem esteja necessitando de ajuda. “A nossa rede de Saúde Mental (RAPS), busca o cuidado das pessoas que estão em sofrimento psíquico. Quem estiver com um quadro depressivo pode ir até os CAPS (Centros de Atenção Psicossociais), que oferecem atendimentos individuais e grupais para o cuidado deles, com toda a sua multidisciplinaridade profissional. Ademais, caso necessite-se em caráter de Urgência, temos a UPA no qual possui uma ala psiquiátrica que oferece todo o suporte necessário para tais situações”.

Bouwary alerta ainda que, “os cuidados com a Saúde Mental devem ser constantes, precisando se ater aos sinais que indiquem alterações quer seja em comportamentos físicos ou nos discursos que aponte para a possibilidade de alguém estar pensando em suicidar-se”.

Onde buscar ajuda?

Unidade de Saúde distribuídas territorialmente no município;
Centros de Atenção Psicossocial – CAPS II, CAPS AD e CAPSi
UPA24h (exclusivamente para situações de emergência e risco)

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.