Recriar Esporte incentiva a prática esportiva na infância

A infância é o momento perfeito para começar a praticar esportes: incentivar as atividades esportivas nessa fase é importante para que se tornem algo prazeroso desde cedo e ajudem em um crescimento saudável.

“Além de promover maior desenvolvimento motor, a atividade aumenta o desenvolvimento cognitivo. O esporte trabalha a socialização e a liderança. A criança se desenvolve para o futuro, brincando, aprendendo e assimilando melhor os movimentos”, explica o professor Carlos Roberto Mieznikowski, da Recriar Esporte. A atividade vai além da prática física, já que os pequenos terão contato com regras, trabalho em equipe e convivência com diferentes perfis, ensinamentos que levarão para toda a vida.

O professor lembra que se movimentar traz benefícios em qualquer idade. Na infância o destaque são as atividades mais lúdicas. Uma das possíveis oficinas para os pequenos é a iniciação desportiva, na qual o aluno tem contato com diversas modalidades, passando por vivências motoras que facilitarão as práticas futuras. “Com a realização dos movimentos básicos de correr, saltar, chutar, empurrar ou agarrar em forma de brincadeira, durante as atividades esportivas, a criança acaba escolhendo involuntariamente o que ela gosta, seja uma modalidade individual ou coletiva”, acrescenta. 

As crianças que praticam exercícios regularmente apresentam um crescimento e desenvolvimento mais saudável dos ossos, músculos e articulações, que ficam mais fortes, além de melhorar a postura e o equilíbrio. “A violência urbana e o magnetismo da televisão e dos tablets atraem as crianças para o mesmo centro de gravidade: dentro de casa. Assim, não é raro que muitas troquem a brincadeira na rua por manhãs ou tardes inteiras entre os games de celular e a programação da TV. Algumas já têm uma série de problemas, como cifose (corcunda), hipertrofia, dores e obesidade, tudo decorrente do sedentarismo”, destaca.  

Para romper esta barreira é importante que a atividade física tenha hora marcada, de duas a três vezes na semana. Os jogos livres são indicados apenas a partir dos cinco anos de idade. Aos oito, os pequenos já podem começar a prática de modalidades específicas, dando a oportunidade para que a criança escolha a que mais lhe agrada.  

O foco para os menores é a diversão, deixando a competição para quando forem um pouco mais velhos. “A competição pode trazer benefícios do ponto de vista educacional e de sociabilização ao colocar a criança frente a situações de vitória e derrota. Mas as derrotas não devem ser levadas a sério demais. Se houver cobrança excessiva, a consequência pode ser indesejável: a aversão a qualquer atividade física”, alerta. 
 


 




 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.