RS apresenta queda de 11,6% nos homicídios em abril

Policiais civis e militares uniformizados aparecem lado a lado em uma rua de uma vila onde há uma série de carros velhos estacionados, entre os quais uma Kombi com caçamba e um fusca.
Série de ações integradas colaboraram para redução dos assassinatos, em especial na Capital – Foto: Divulgação/PC

Números divulgados nesta quinta-feira, 12/05, pela Secretaria de Segurança Pública (SSP) revelam que o quarto mês de 2022 se encerrou com retorno à tendência de queda nos homicídios no Rio Grande do Sul, observada ao longo dos últimos três anos. O número de vítimas caiu 11,6%, de 129 em abril de 2021 para 114 neste ano. De acordo com a SSP, o resultado atesta a efetividade das ações realizadas pelas forças de segurança após ligeira alta ocorrida em março, em especial para a rápida contenção de conflito pontual entre organizações criminosas na Capital. Na soma de janeiro a abril, o Estado também registra queda nos assassinatos, de 564 no ano passado para 544 (-3,5%) – tanto no recorte mensal quanto no acumulado, os totais atuais são os menores desde 2006.

Card do gráfico de vítima de homicídios no RS em abril
Card com o gráfico de vítimas de homicídios no RS de janeiro a abril

O foco territorial adotado pelo programa RS Seguro para combater o crime nos locais que apresentavam os indicadores mais elevados ao longo da última década também teve impacto significativo para diminuição dos homicídios no Estado. Entre os 23 municípios priorizados para monitoramento intensivo pela Gestão de Estatística em Segurança (GESeg), nove encerraram o mês sem nenhum assassinato: Cachoeirinha, Esteio, Gravataí, Guaíba, Ijuí, Lajeado, Novo Hamburgo, Pelotas e Viamão.

Das 23 cidades priorizadas, 16 tiveram queda ou estabilidade no número de assassinatos em abril, na comparação com o mesmo período no ano passado. E no cenário acumulado de quatro meses, entre as 10 maiores reduções no número de vítimas, em relação ao mesmo intervalo de 2021, sete ocorreram em cidades que integram o grupo priorizado pelo RS Seguro. As duas maiores reduções são de Caxias do Sul e Bento Gonçalves, com 12 e 11 crimes a menos em relação ao primeiro quadrimestre de 2021.

Card comparativo do ranking de municípios com as maiores quedas de homicídios de janeiro a abril, entre 2021 e 2022.

Segundo a SSP, a Brigada Militar ampliou o policiamento ostensivo com reforço de mais de uma centena de policiais militares, além de patrulhamento por guarnições dos Batalhões de Polícia de Choque e do Batalhão de Operações Especiais (Bope). O Batalhão de Aviação (Bav-BM) também passou a realizar voos diários na área empregando helicóptero equipado com imageador térmico – dispositivo com infravermelho acoplado a uma câmera que detecta a uma altura de cerca de 300 metros, mesmo à noite, se uma pessoa está com uma arma ou um celular na mão.

O Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) da Polícia Civil também intensificou o foco nas investigações de autoria dos delitos e deflagrou operações para cumprimento de mandados de busca e apreensão e de prisão. A ofensiva resultou na identificação de mais 50 pessoas com envolvimento nos atentados entre os grupos rivais e cerca de 40 prisões. Na metade de abril, a Operação Fatura, desencadeada pela SSP e pela Secretaria de Justiça e dos Sistemas Penal e Socioeducativo (SJSPS), realizou a transferência de 10 líderes dos grupos envolvidos para a Penitenciária de Alta Segurança de Charqueadas (PASC), de forma a impossibilitar qualquer contato com outros detentos ou comparsas fora do sistema prisional. Houve ainda uma megaoperação contra lavagem de dinheiro – considerada pela Polícia Civil a maior já realizada pela instituição no combate a esse tipo de crime – praticada por um dos grupos criminosos ligados ao conflito. A Operação Kraken, com apoio de BM, Corpo de Bombeiros Militar, SJSPS, Polícia Rodoviária Federal e Departamento Penitenciário Nacional, empregou mais de 1,3 mil agentes, cumpriu 1.368 ordens judiciais e resultou na apreensão de mais de R$ 50 milhões em bens.

A articulação dessa série de medidas cessou o confronto na região, fazendo o indicador de homicídios em Porto Alegre ficar praticamente estável em abril. O arrefecimento no mês também colaborou para minimizar a alta no acumulado. Desde janeiro, a Capital soma 100 assassinatos, oito a mais que no mesmo período de 2021 (8,7%), ainda assim abaixo de qualquer outra marca da série histórica – na comparação com 2018, antes da implantação do RS Seguro, quando houve 230 vítimas nos primeiros quatro meses do ano, o dado atual representa queda de 56,5%. A expectativa das autoridades é de que já no fechamento de maio o impacto da alta em março tenha sido anulado, a curva retome a sequência de quedas apresentada ao longo dos últimos três anos.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.