Serra Gaúcha terá que apresentar plano de ação para reduzir contaminação da COVID-19

Comunicado foi feito pelo governador Eduardo Leite na tarde desta quarta-feira, 19/01: “Não pretendemos fazer restrições de atividades econômicas, mas contamos com a colaboração de todos nos cuidados preventivos”, afirmou. Estado emitiu alerta para 12 das 21 regiões do Estado

Foto: Getty Images

O aumento de casos da Covid-19 e também na ocupação do número de leitos clínicos e de UTI deve mobilizar diferentes cidades do Rio Grande do Sul. Na tarde desta quarta-feira, 19/01, o governador Eduardo Leite comunicou que o Estado irá emitir alerta para 12 das 21 regiões para buscar soluções na redução da contaminação pela Covid-19. A região de Caxias do Sul está na lista e deverá apresentar um plano de ação ao governo.

De acordo com Leite, além do número de contaminados que vem aumentando a cada dia, o sistema de saúde também já vem registrando crescimento na ocupação de leitos hospitalares. A região de Caxias já alcança marcas máximas históricas de casos, com aumento de 64% por semana. Atualmente, há 987 leitos clínicos ocupados no Estado por pacientes com a Covid-19. Outro dado apresentado pelo governo do Estado foi no número de internações de crianças: em 1° de janeiro eram 4 no Estado, já na terça-feira, 18/01, este número passou para 40.

O governador também mostrou preocupação quanto à possibilidade do fechamento de 1.157 leitos clínicos a partir de 1° de fevereiro. Segundo ele, o custeio destes leitos é de responsabilidade do governo federal e, em resposta a um pedido do Estado encaminhado em dezembro, o Ministério da Saúde não renovou o contrato. O Estado já encaminhou um novo pedido para a prorrogação do custeio, especialmente com a possibilidade de aumento na ocupação. Mesmo diante destas incertezas, Leite garante que no momento não há previsão de novas restrições. “Vamos aguardar o plano de ação de cada região e contar com o apoio da população nos cuidados preventivos, como uso correto da máscara, higienização das mãos, evitar aglomeração e, ainda, completar o esquema vacinal, inclusive das crianças”, finalizou.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.