Você tem medo de sair de férias?

Em uma época em que os profissionais de diferentes áreas sofrem alterações de comportamento diante do acúmulo de funções e da possibilidade do desemprego, o descanso anual, direito garantido por lei, ultrapassa o status de benefício para se tornar um problema. Isso acontece, porque, apesar de a maioria das pessoas saber que as férias são uma pausa indispensável para a manutenção da qualidade de vida, algumas simplesmente não conseguem se desligar dos compromissos diários. 

A psicóloga Adriana de Araújo, especializada no tratamento de fobias, diz que, segundo dados da International Stress Management Association-Brasil (Isma-BR), o medo de férias tem aumentado. É o que comprova a última pesquisa sobre o assunto, realizada com 678 profissionais, na faixa etária entre os 25 e 55 anos, moradores das cidades de São Paulo e Porto Alegre. “Dos entrevistados, 38% admitiram ter medo de dar uma pausa muito grande no trabalho e tirar férias de 30 dias”, detalha.

Mas por que isso acontece? “Atualmente, ao se obrigarem a fazer tudo, essas pessoas não suportam a pressão e têm receio de ficar muito tempo paradas sem fazer nada. Elas sentem que estão ficando para trás e que na volta do descanso terão serviço dobrado. É preciso controlar a ansiedade para que o estresse não chegue à fase de exaustão, que leva à instabilidade emocional e a doenças”, explica.

Adriana conta que os chamados workaholics (ou viciados em trabalho) não conseguem dar uma pausa ao ritmo alucinante de atividades, exigências e metas, situação que se agrava com o passar do tempo. “Os 365 dias do ano se tornam insuficientes. Pouco a pouco, a fadiga, a fraqueza, a irritabilidade, a impaciência e a dor muscular podem se tornar rotineiras. Somam-se a esses outros sintomas, tais como medo, insegurança e doenças ocupacionais. O sinal vermelho é dado quando ocorrem sequelas mais graves, como infartos e derrames”, alerta. 

Planejamento das férias 

Por mais óbvio que pareça, férias decididas de última hora ou mal programadas, sem que haja tempo para relaxar, descansar e recarregar as baterias, podem gerar um forte estresse, assim como qualquer outro momento do cotidiano. Outro grande perigo está nos extremos. O excesso ou mesmo nenhuma atividade praticada durante as férias também pode causar estresse. “O importante é se desligar do trabalho e dos problemas pessoais. Não é bom aproveitar as férias, por exemplo, para fazer uma cirurgia ou resolver alguma pendência. O planejamento para o descanso faz a diferença nessa hora”, incentiva a psicóloga. 

Dicas

Divida as férias em pelo menos duas etapas de 10 dias ou duas de 15;

Antes de sair, entregue tudo o que está sob sua responsabilidade, não deixe pendências a resolver; 

Quando estiver fora, delegue suas funções a um profissional capacitado; 

Deixe uma resposta automática informando sobre suas férias na caixa de e-mails e no celular; 

Não transfira seus recados de trabalho para o e-mail pessoal ou para o seu próprio celular; 

Não telefone para o trabalho para saber como andam as coisas na sua ausência; 

Priorize as coisas que te dão prazer e o que você tem adiado por falta de tempo: meditar, fazer yoga, ir ao cinema…; 

Se você vai viajar nas férias, programe pelo menos três dias de descanso entre o trabalho e a viagem;

Programe-se e escolha com antecedência um roteiro que se encaixe no seu ritmo. É importante também voltar de viagem ao menos um dia antes de retornar ao trabalho para organizar a sua vida pessoal;

Lembre-se que você merece alguns dias de descanso e que é capaz de aproveitá-los de uma maneira inteligente e racional, sem transformar as férias em um período estressante.

Fonte: portal Minha Vida
(www.minhavida.com.br)


É proibida a reprodução, total ou parcial, do texto e de todo o conteúdo sem autorização expressa do Grupo SERRANOSSA.

Siga o SERRANOSSA!

Twitter: @SERRANOSSA

Facebook: Grupo SERRANOSSA

O SERRANOSSA não se responsabiliza pelas opiniões expressadas nos comentários publicados no portal.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.